As Disputas Pela Direção da Formação de Professores de Educação Física no Brasil (1980-2012)

Por: Bárbara Cristina Pupio.

2013 25/03/2013

Send to Kindle


Resumo

Esta dissertação, vinculada à Linha de Pesquisa Trabalho e Formação em Educação Física do Programa de Pós-Graduação Associado em Educação Física UEM/UEL tem como objeto de investigação as disputas pela direção da formação de professores de Educação Física, considerando o processo de divisão da formação em Licenciatura e Bacharelado advindo por meio de políticas educacionais na década de 1980. Enfocando os debates que levaram à produção das Resoluções 03/87 e 04/2004 que orientam a formação dos professores de educação física, esta dissertação trata do processo de produção destas resoluções, recuperando (a) os grupos políticos que disputaram a direção da formação estabelecida nestas resoluções; (b) as posições que estes grupos políticos defendiam; (c) as relações destas posições com interesses econômicos muito concretos. O objetivo central foi investigar, na formação social brasileira, como se produziu a divisão da formação de professores de educação física no período 1980-2012, localizando as disputas na direção da formação e o estágio de desenvolvimento das forças produtivas a que esta formação atende. Através da concepção materialista e dialética da história e a partir da revisão bibliográfica, análise documental e realização de entrevistas semiestruturadas podemos concluir que, o processo de reformulação curricular, tanto a Resolução 03/87 quanto a Resolução 07/04, foram desencadeados por disputas pela direção da formação em educação física expressas em propostas de formação distintas. As disputas travadas atualmente no que se refere à formação de professores de educação física indicam um acirramento dos embates, tendo em vista a realidade mais ampla, de crise do modo de produção capitalista e o processo de precarização do trabalho e do trabalhador, e em específico, os interesses concretos de diferentes segmentos em torno dos elementos da cultura corporal e, portanto, da educação física. Hoje, os embates continuam a ser representados por dois projetos distintos de formação: de um lado, aqueles que defendem a formação hegemônica fundamentada na divisão da formação em licenciatura e bacharelado, no movimento humano como sendo o objeto de estudos da educação física e no desenvolvimento de competências e habilidades com vistas a formar para o mercado, representado no posicionamento do CONFEF, apoiado pelo CBCE, Ministério do Esporte e a COESP, mesmo tendo divergências em certas posições uniram forças para lograr hegemonia na condução da formação em educação física; de outro lado, aqueles que reivindicam a revogação das atuais diretrizes em defesa da formação unificada, reconhecida na proposta da licenciatura ampliada que traz como matriz científica da educação física a história do homem e da natureza, o trabalho como categoria fundante do ser humano e como princípio educativo, considera a cultura corporal o objeto de estudos da área e pauta a formação humana omnilateral, proposta defendida pelo MEEF, MNCR e alguns grupos de pesquisas no interior das IES.

Endereço: http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000185485

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2017 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.