As Donas da Quadra: Leitura Sociológica das Unidades Geracionais Olímpicas do Voleibol Feminino no Brasil (1980-2008)

Por: .

271 páginas. 2013 28/03/2013

Send to Kindle


Resumo

Na cronologia do voleibol brasileiro, a trajetória do voleibol feminino tem demonstrado um crescimento nitidamente exponencial nos últimos trinta anos. O objetivo desta tese foi analisar a especificidade da trajetória do voleibol feminino na história do voleibol brasileiro no período de 1980 a 2008. De maneira específica, a pesquisa evidenciou o surgimento da modalidade a partir da identificação das principais estruturas e agentes sociais responsáveis pelo processo de inserção, desenvolvimento e ascensão do voleibol feminino no país. A análise qualitativa dessa trajetória foi feita por meio da coleta de dados de diferentes fontes de pesquisa, entre eles: teses de doutorado, dissertações de mestrado, artigos acadêmicos publicados em periódicos, anais de eventos científicos e sites institucionais ligados ao voleibol. Como o voleibol feminino foi representado em oito edições olímpicas neste período, realizamos cinco entrevistas semi-estruturadas com atletas participantes em, pelo menos, um ciclo olímpico, que foram: Maria Auxiliadora Villar Castanheira - atleta dos Jogos Olímpicos de Moscou (1980) e Seul (1988); Heloísa Helena Santos Roese - atleta dos Jogos Olímpicos de Los Angeles (1984); Ana Maria Richa Medeiros - atleta dos Jogos Olímpicos de Los Angeles (1984) e Seul (1988); Hélia Rogério de Souza Pinto - atleta dos Jogos Olímpicos de Barcelona (1992), Atlanta (1996), Sydney (2000), Atenas (2004) e Pequim (2008) e Elisangela Oliveira - atleta dos Jogos Olímpicos de Sydney (2000) e Atenas (2004). A pesquisa contou também com a entrevista de Renato D'ávilla, atual gestor técnico da CBV e responsável pelo planejamento das competições de clubes nacionais de voleibol feminino e masculino. Através da Sociologia Reflexiva, do sociólogo francês Pierre Bourdieu, detectamos os elementos de especificidade desse espaço social esportivo. Em conjunto com os conceitos de habitus, campo, ethos social, hexis corporal, capital, poder e reprodução social de Bourdieu, utilizamos o conceito de gênero, entendido como uma categoria de análise cultural neste contexto histórico. Para a identificação das oito seleções olímpicas do voleibol feminino, utilizamos o conceito de unidade de geração do sociólogo alemão Karl Mannheim. Essa identificação foi determinada pela descrição das oito participações olímpicas da seleção feminina, denominadas de unidades de geração olímpicas do voleibol feminino brasileiro. Com base nos resultados desta pesquisa, concluímos que o voleibol feminino brasileiro apresentou uma trajetória histórica e social singular e independente do voleibol masculino brasileiro. Embora tenha reproduzido as estratégias de investimento econômico, social e simbólico do voleibol masculino na modalidade, a trajetória do voleibol feminino apresentou especificidades fundadas na condição social inerente ao ethos e hexis da mulher, confirmando a hipótese de que o voleibol feminino brasileiro passou por um processo histórico de condicionamento e estruturação tardio em relação ao voleibol masculino no campo esportivo brasileiro.

Endereço: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/30263

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.