As Faces da Precariedade do Trabalho Docente e as Estratégias de Ação de Professores de Educação Física Atuantes no Ensino Superior Privado Mercantil

Por: Alessandra Galve Gerez e .

Motrivivência - v.31 - n.60 - 2019

Send to Kindle


Resumo

O estudo objetivou identificar como tem se configurado a precariedade do trabalho docente no ensino superior privado mercantil e as estratégias de ação adotadas por docentes de cursos de licenciatura em Educação Física para o seu enfrentamento. Foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com 12 docentes que atuam em cursos de instituições de ensino superior privadas mercantis. As informações produzidas foram interpretadas à luz dos conceitos de Pierre Bourdieu e de alguns pressupostos da Análise de Discurso. Os resultados indicaram que, além da sobrecarga de disciplinas e de um regime de trabalho predominante horista, obrigando-os a acumularem vários empregos, há perda da autonomia pedagógica devido à imposição de pacotes didáticos e das pressões do ENADE. Foram identificadas estratégias de ação docentes voltadas à adaptação, mas também à resistência.

Referências

 

ALVIANO JUNIOR, W. ; NEIRA, M. G.. O Ensino Superior privado e os currículos que formam professores de Educação Física. In. Shigunov Neto, Alexandre; Fortunato, Ivan (org). Reflexões sobre educação física e a formação de seus profissionais. São Paulo: Edições Hipótese, 2016.

BERNSTEIN, B. A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Editora Vozes, Petrópolis, 1996.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Instituições de Educação Superior e Cursos Cadastrados no Brasil. Ano 2017. Disponível em http://emec.mec.gov.br. Acesso em 30/11/2018.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C.. A reprodução. Elementos para uma teoria do sistema de ensino. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008, p. 21-90.

______. Algumas propriedades dos campos. In. BOURDIEU, P. Questões de Sociologia. Fim de Século, Edições Sociedade Unipessoal, Lisboa, 2003.

______. Escritos de Educação. Ed. Vozes, 9ª ed., Petrópolis, Rio de Janeiro, 1998.

______. Os excluídos do interior. In.: A miséria do mundo. 7ª Ed. Vozes, Petrópolis, RJ, 1997.

______. O poder simbólico. Ed. Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, 1989

______. Esboço de uma teoria da prática. In: Sociologia. Ed. Ática, São Paulo, 1983.

BRACHT, V. Identidade e crise da Educação Física: um enfoque epistemológico. In.(coords.). BRACHT, V. e CRISÓRIO, R. Educação Física no Brasil e na Argentina: identidade, desafios e perspectivas. Campinas, SP - Autores Associados; Rio de Janeiro: PROSUL, 2003.

CORBUCCI, P.R.; KUBOTA, L.C.; MEIRA, A.P.B.. Evolução da educação superior privada no brasil: da reforma universitária de 1968 à década de 2010. Radar, 46, ago. 2016. Disponível emhttp://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/7066/1/Radar_n46_evolu%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acesso em 01/02/2019.

CUNHA, M.I. da. Trajetórias e lugares de formação da docência universitária: da perspectiva individual ao espaço institucional. Araraquara, SP: Junqueira & Marin ; Brasília, DF: CAPES:CNPQ, 2010.

DOMINGOS SOBRINHO, M. Habitus, Campo Educacional e a construção do ser professor da educação básica. Revistainter-legere. Educação e Sociedade, 2011. Disponível em https://periodicos.ufrn.br/interlegere/article/view/4411/3600. Acesso em 01/08/2018.

FERREIRA, M. O. V. Construção de identidades docentes: entre a vocação, as necessidades objetivas e os processos sociais. Educação. Porto Alegre, v. 34, n.1, p. 106-113, jan/abr. 2011. Disponível em http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/8672. Acesso em 01/12/2018.

LAHIRE, B. O homem plural: os determinantes da ação. Ed. Vozes, Petrópolis, RJ, 2002.

LAVILLE, C.; DIONNE, J.. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Ed. Artmed, Porto Alegre; Ed. UFMG, Belo Horizonte, 1999.

LOPES, A. C. Política de currículo: recontextualização e hibridismo. Currículo sem Fronteiras, v. 5, n.22, pp. 50-64, jul-dez/20005. Disponível em Política de currículo: recontextualização e hibridismo. Currículo sem Fronteiras, v. 5, n.22, pp. 50-64, jul-dez/20005. Acesso em 20/10/2018.

MINAYO. M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10 ed. São Paulo: Hucitec, 2007.

NEIRA, M. G.. Desvelando Frankensteins: interpretações dos currículos de licenciatura em Educação Física. Revista Brasileira de Docência, Ensino e Pesquisa em Educação Física, vol. 1, n. 1, p.118-140, ago/2009. Disponível em http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/EDUCACAO_FISICA/artigos/Interpretacoes-dos-curriculos-de-licenciatura-em-Ed-F.pdf. Acesso em: 13/06/2013

NUNES, M. L. F.; NEIRA, M. G.. Processos de inclusão excludente presentes no ensino superior privado. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 39, n.4, p. 1209-1228, out/dez, 2014. Disponível em http://www.seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/41858. Acesso em 20/04/2016

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. Pontes, 1999.

REZER, R.. O trabalho docente na Formação Inicial em Educação Física: reflexões epistemológicas. 2010. Tese (Doutorado em Educação Física) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

SEBIN, C. C.. O trabalho docente no processo de financeirização da educação superior: o caso da Kroton no Espírito Santo. ANAIS. 37ª Reunião Nacional da ANPEd – 04 a 08 de outubro de 2015, UFSC – Florianópolis.

SEIDL, E. Estratégia/estratégias de Reprodução. In.: CATANI, A. M.; NOGUEIRA, M. A.; HEY, A. P.; MEDEIROS, Cristina Carta Cardoso de. Vocabulário Bourdieu. 1ª ed. Belo Horizonte: Autentica Editora, 2017, p. 189-191.

SGUISSARDI, V. Educação Superior no Brasil. Democratização ou Massificação? Educ.Soc., Campinas, v. 36, nº 133, p.867-889, out-dez, 2015. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302015000400867&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 20/08/2016.

SILVA, M. E. P. S.. A metamorfose do trabalho docente no ensino superior: entre o público e o mercantil. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2012.

TELES, J.; LÁZARO, A. Educação, Poder e Autoridade: tramas e sentidos na contemporaneidade. Revista Pedagógica, v.16. N.33, jul/dez, 2014. Disponível em https://bell.unochapeco.edu.br/revistas/index.php/pedagogica/article/view/2855. Acesso em 20/12/2018.

TRIGO, M. H. B. Habitus, Campo, Estratégia: uma leitura de Bourdieu. Cadernos CERU, Série 2 – nº9, 1998. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ceru/issue/view/5787. Acesso em 15/07/2018.

VIEIRA, R. A. G.; NEIRA, M. G. Identidade docente no ensino superior de Educação Física: aspectos epistemológicos e substantivos da mercantilização educacional. Movimento, Porto Alegre, v. 22, n.3. 783-794, jul/set de 2016. Disponível em https://seer.ufrgs.br/Movimento/article/view/54955. Acesso em 20/07/2017.

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/2175-8042.2019e61672

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.