As Invisibilidades da História: Athayde Ribeiro da Silva e a Psicologia do Esporte no Brasil

Por: e Ana Maria Jacó-vilela.

Memorandum: Memória e História em Psicologia - n.31 - 2016

Send to Kindle


Resumo

O futebol chegou ao Brasil como esporte das elites e começou a se popularizar durante o governo de Getúlio Vargas, que o utilizou, juntamente com o samba, para a afirmação da identidade nacional. Neste processo, profissionalizou-se e conferiu novo status ao jogador: o de trabalhador. Esta transformação possibilitou que a Psicologia começasse a atuar junto ao esporte, com técnicas de recrutamento e seleção profissional, bem como realizando psicodiagnóstico. Um importante personagem nesta trajetória foi Athayde Ribeiro da Silva, indicado para trabalhar com a seleção brasileira de futebol em 1962 e 1966. Embora com uma vasta atuação acadêmica e profissional, Ribeiro da Silva permanece incógnito para a história da Psicologia do Esporte. O intuito deste artigo é, portanto, apresentar sua trajetória, demonstrar sua relevância para o campo e contribuir, assim, com novos dados para os profissionais da área.

Referências

I Congresso Sul-Americano de Psicologia Esportiva (1970, abril-junho). Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 22(2), 137-138.

III Congresso Internacional de Psicologia Esportiva (1973, outubro-dezembro). Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 25(4), 115-117.

Associação Brasileira de Psicologia Esportiva e Atividade Física (1970, janeiro-março). Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 22(1), 121-123.

Campos, R. H. F. & Massimi, M. (1998). Arquivos e bibliotecas para a história da psicologia brasileira. Em J. Brozek & M. Massimi (Org.s). Historiografia da psicologia moderna (pp. 305-311). São Paulo: Loyola.

Carvalho, C. A. (2012). Além do tempo regulamentar: uma narrativa sobre a história da psicologia do esporte no Brasil. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Congresso Internacional de Psicologia Esportiva (1969, abril-junho). Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 21(2), 137-138.

Daolio, J. (1998). As contradições do futebol brasileiro. Lecturas: Educación Física y Deportes, 3(10). Recuperado em 04 de abril, 2015, de www.efdeportes.com/efd10/daolio.htm

Decreto-Lei n. 3.199. (1941, 14 de abril). Estabelece as bases de organização dos desportos em todo o país. Rio de Janeiro: Presidência da República.

Drumond, M. (2009). O esporte como política de Estado: Vargas. Em M. Del Priore & V. A. de Melo (Org.s). História do esporte no Brasil: do Império aos dias atuais (pp. 213-244). São Paulo: Unesp.

Ericeira, R. (2010). A mulher é a tal: visões de compositores de marchinhas de carnaval sobre as mulheres no Rio de Janeiro nas décadas de 1930 e 1940. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Faiad, C., Coelho Junior, F. A., Caetano, P. F. & Albuquerque, A. S. (2012). Análise profissiográfica e mapeamento de competências nas instituições de segurança pública. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(2), 388-403. Recuperado em 15 de junho, 2015, de www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932012000200009&lng =en&tlng=pt

Jacó-Vilela, A. M. (2001). A nova ciência, instrumento para a construção da República. Em A. M. Jacó-Vilela, A. C. Cerezzo & H. de B. C. Rodrigues (Org.s). Clio-Psyché ontem: fazeres e dizeres psi na história do Brasil (pp. 177-185). Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Lei n.º 4.119 (1962, 27 de agosto). Dispõe sobre a regulamentação da profissão de psicólogo. Brasília: Presidência da República.

Mira y López, E. & Ribeiro da Silva, A. (1964). Futebol e psicologia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Motta, J. M. C. (2005). A psicologia e o mundo do trabalho no Brasil: relações, história e memória. São Paulo: Ágora.

Oliveira, R. C. R. (2013). Rádio e educação profissional a distância: a experiência da Universidade do Ar (1947 – 1961). Dissertação de Mestrado, Curso de Mestrado em Educação Tecnológica, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Psicologia Esportiva (1971, janeiro-março). Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 23(1), 159-160.

Ribeiro da Silva, A. (1966). A utilização do teste “minhas mãos” em orientação profissional. Arquivos Brasileiros de Psicotécnica, 18(3), 71-80. Recuperado em 02 de março, 2015, de bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abpt/article/view/15410/14291

Ribeiro da Silva, A. (1965). Observações sôbre psicologia aplicada ao futebol. Arquivos Brasileiros de Psicotécnica, 17(3), 67-72. Recuperado em 02 de março, 2015, de bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abpt/article/view/15113/13999

Ribeiro da Silva, A. (1967). Psicologia esportiva e preparo do atleta. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Ribeiro da Silva, A. (1972). As aptidões do futebolista. Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 24(2), 7-20. Recuperado em 02 de março, 2015, de bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abpa/article/view/16852/15663

Ribeiro da Silva, A. (1974). Impressões e notas sobre o III Congresso Internacional de Psicologia Esportiva. Arquivos Brasileiros de Psicologia Aplicada, 26(1), 37-54. Recuperado em 02 de março, 2015, de bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/abpa/ article/view/17046/15845

Rosas, P. (1995). Mira y López: 30 anos depois. São Paulo: Vetor.

Schultz, P. S. & Schultz, S. L. (1992). História da psicologia moderna (A. U. Sobral & M. S. Gonçalves, Trad.s). São Paulo: Cultrix. (Original publicado em 1967).

Seidl-de-Moura, M. L. (2011). Instituto Superior de Estudos e Pesquisas em Psicologia da Fundação Getúlio Vargas (ISOP/FGV) – 1970-1990. Em A. M. Jacó-Vilela (Org.). Dicionário histórico de instituições de psicologia no Brasil (pp. 350-351). Rio de Janeiro: Imago; Brasília: CFP.

Silva, S. B. & Rosas, P. (1997). Mira y Lopez e a psicologia aplicada no Brasil. Rio de Janeiro: FGV.

 

Endereço: https://seer.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6187

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.