As Mulheres Fortes São Aquelas Que Fazem Uma Raça Forte: Esporte, Eugenia e Nacionalismo no Brasil no Início do Século Xx

Por: .

Recorde: Revista de História do Esporte - v.1 - n.1 - 2008

Send to Kindle


.Resumo

Fundamentada na abordagem teórico-metodológica da história cultural e nos estudos de gênero, este artigo discute a importância atribuída ao esporte na política de fortalecimento da população brasileira branca no início do século XX. Evidencia, sobretudo, que para essa política se efetivar foi necessário investir no fortalecimento do corpo feminino, pois segundo os ideais nacionalistas em voga naquele momento, somente um corpo forte poderia gerar uma raça forte. Traduzem-se como fontes primárias desta pesquisa, documentos produzidos neste período, bem como as 88 edições da primeira revista cientifica específica da área da educação física. Através da técnica da análise de conteúdo foi possível compreender que o discurso nacionalista brasileiro, ao buscar o refinamento da raça, fez a apologia da saúde da mulher branca identificando a atividade física como a melhor forma de fortalecê-la e aprimorá-la.

Endereço: https://revistas.ufrj.br/index.php/Recorde/article/view/790

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.