As Provas do Corpo, os Sinais da Morte nos Séculos XVIII-XIX

Por: Jorge Crespo.

Pró-Posições - v.14 - n.2 - 2003

Send to Kindle


Resumo

Na transição do século XVIII para o século XIX, o Estado assume a responsabilidade de dirigir o processo da morte, num contexto propício à mudança, quando exigências económicas e sociais legitimam, cada vez mais, a economia do corpo. A separação do cadáver era a questão fulcral, porque havia conhecimento de erros cometidos na delimitação da morte real, das falsas interpretações dos sinais do fim da vida. A morte aparente constituía um problema, dada a dimensão emotiva em causa, exacerbada com os relatos de falsos mortos, regressados ao mundo dos vivos, que enriqueciam o imaginário colectivo. A proliferação de teorias médicas quanto aos sinais da morte era um impedimento à solução procurada por autoridades responsáveis pela higiene e saúde públicas. No presente estudo, dá-se conta do movimento de ideias e das práticas seguidas num tempo particularmente dinâmico quanto à visibilidade dos corpos, na sequência de épocas de obscuridade, de silêncios.

Endereço: http://www.proposicoes.fe.unicamp.br/~proposicoes/edicoes/texto266.html

Ver Arquivo (PDF)

Tags: ,

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.