As Pymes de Gestão de Atividades das Academias e Gestão de Instalações Esportivas na Espanha

Por: Antonio Jesús Sanchez-oliver e Moisés Grimaldi-puyana.

Podium Sport, Leisure And Tourism Review - v.6 - n.3 - 2017

Send to Kindle


Resumo


Micro, pequenas e médias empresas (PMEs) são um elo decisivo na atividade e no emprego em todas as economias, inclusive na economia espanhola. As PME podem ter formas e tamanhos muito diferentes. A Comissão da Comunidade Europeia fez uma recomendação em 2003 para defini-los, tendo em conta o volume de negócios anual, o balanço anual e as unidades de trabalho anuais, separando-os e identificando-os segundo a sua dimensão em médias, pequenas e microempresas. Para a realização do estudo empírico, foram obtidas as informações contábeis e financeiras do banco de dados do SABI para as empresas de gestão de atividades de academias (EGAG) e empresas de gestão de instalações esportivas (EGID) registradas na classificação nacional de atividades econômicas (CNAE) entre os anos 2004-2012. Dois objetivos foram propostos, classificação de EGAG e EGID de acordo com sua forma legal, localização geográfica e tamanho, e analisar a evolução do total de ativos, lucro operacional e número de pessoas ocupadas das PMEs estudadas. Quanto aos EGID, destaca-se a presença de microempresas e pequenas empresas, com 59,5% e 35,9% respectivamente, atuando principalmente como Limited Partnerships (SL). No caso dos EGAGs, destaca-se a presença de todas as PMEs nas comunidades da Catalunha e da Comunidade de Madri, sendo a maioria microempresas que trabalham como SL. Pode-se concluir que o EGID e o EGAG espanhol são em sua maioria pequenos, operando sob a personalidade jurídica do SL, observado como o tamanho tem relação direta nas variáveis --

Referências

Acedo, MA, Ayala, C. e Rodríguez., JE (2003). Rentabilidade, endividamento e custo da dívida das PME. Análise empírica de empresas por tamanho. Revista Europeia de Gestão Empresarial e Economia, 14 (4), 185-200. Disponível em: www.researchgate.net/profile/Jose_Oses/publication/28185674_Rentabilidades_endeudamiento_y_coste_de_la_deuda_de_las_pymes_analisis_empirico_de_las_empresas_por_tamanos/links/00b4952c3da7601af6000000.pdf

Amis, J. & Slack, T. (1996). A relação tamanho-estrutura nas organizações esportivas voluntárias. Journal of Sport Management, 10, 76-86. Disponível em: http://journals.humankinetics.com/doi/abs/10.1123/jsm.10.1.76

Arbizu-Echávarri, J. (2008). Família profissional de atividades físicas e esportivas. Madri: Instituto Nacional de Qualificações - Conselho Superior de Esportes.

Ayala, JC e Navarrete, E. (2004). Tamanho e efeitos setoriais sobre a rentabilidade, endividamento e custo da dívida das empresas familiares da Riojan. Cuadernos de Gestión, 4 (1), 35-53. Disponível em: http://hdl.handle.net/10810/7084

Benito, S., & Platero, M. (2012). Microempresas em tempos de crise: análise de informação, experiência e inovação. REVESCO, 140, 7-38. Disponível em: http://search.proquest.com/openview/86b65ba3f6da45f6ec02fa848c4c055d/1?pq-origsite=gscholar&cbl=54853

Boned, CJ, Felipe, JL, Barranco, D., Grimaldi-Puyana, M., e Crovetto, M. (2015). Perfil profissional dos trabalhadores dos centros de fitness em Espanha. Revista Internacional de Medicina e Ciência da Atividade Física e Esportes, 15 (58), 195-210. Disponível em: https://revistas.uam.es/rimcafd/article/view/1446

Calabuig, F., Quintanilla, I. e Mundina, J. (2008). A qualidade percebida dos serviços esportivos: diferenças de acordo com a instalação, sexo, idade, tipo de usuário em serviços náuticos. Revista Internacional de Ciências do Esporte, 10 (4), 25-43. Disponível em: http://www.cafyd.com/REVISTA/ojs/index.php/ricyde/article/view/8/3

DBK. (2015). Setores de estudo da DBK. Disponível em: http://www.dbk.es

Directiva do Parlamento Europeu e do Conselho que altera a Directiva 78/660 / CEE do Conselho relativa às contas anuais de certas formas de sociedades, no que se refere às microentidades {SEC (2009) 206} {SEC (2009) 207} (Texto relevante para efeitos do EEE). Disponível em: http://eur-lex.europa.eu/legal-content/ES/ALL/?uri=CELEX:52009PC0083

Fernández, D. (22 de fevereiro de 2015). O tamanho da empresa é importante. O tamanho médio das empresas espanholas é menor que o de outros países. O país. Recuperado de http://economia.elpais.com/economia/2015/02/17/actualidad/1424198608_233484.html

García, M. e Llopis, R. (2011). Bem-estar democrático e pessoal ideal. Inquérito aos hábitos desportivos em Espanha 2010. Madrid: Centro de Investigação Sociológica e Conselho do Desporto. Disponível em: http://www.csd.gob.es/csd/estaticos/dep-soc/encuesta-habitos-deportivos2010.pdf

Gómez, S., Opazo, M., & Martí, C. (2007). Características estruturais das organizações esportivas. IESE Business School, CSBM, 1-24. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/6536392.pdf

Grimaldi-Puyana, M., Garcia-Fernández, J., Gómez-Chacón, R., & Bravo, G. (2016). Impacto da crise econômica sobre a rentabilidade das empresas de gestão de instalações esportivas de acordo com o tamanho, um estudo empírico. Journal of Sports Psychology, 25 (3), 51-54. Disponível em: https://ddd.uab.cat/pub/revpsidep/revpsidep_a2016v25n3/revpsidep_a2016v25n3p51.pdf

Grimaldi-Puyana, M. & Ferrer-Cano, P. (2016). Perfil diminuído das organizações de gestos de instalação. Apunts Educació Physics i esports, 4 (126), 72-78. Disponível em: http://www.raco.cat/index.php/ApuntsEFE/article/view/316534/406640

Grimaldi-Puyana, M., Ferrer-Cano, P., Bravo, G. e Pozo-Cruz, J. (2015). Efeito da crise nas Organizações de Gestão de Instalações Esportivas de acordo com seu tamanho. Em Díaz-Suarez, A. e Ibáñez-Pérez, R. (Eds.), A importância do impacto econômico do esporte na sociedade de hoje (pp.155-159). Múrcia: Serviço de Publicações da Universidade de Múrcia.

Huerta, P., Contreras, S., Almodóvar, P. e Navas, J. (2010). Influência do tamanho do negócio nos resultados: um estudo comparativo entre empresas chilenas e espanholas. Revista Venezuelana de Administração, 15 (50), 207-230. Disponível em: http://200.74.222.178/index.php/rvg/article/view/10566

Huerta, P., Contreras, S., Almodóvar, P., & Rejas, LP (2012). Fatores explicativos dos resultados do negócio: um estudo de empresas espanholas. Revista Venezuelana de Administração, 17 (57), 39-57. Disponível em: http://200.74.222.178/index.php/rvg/article/view/10672

Huertas, E. & Salas, D. (2014). A legitimidade de empresas e empresários na Espanha: uma perspectiva comparativa. Opinião do Centro Cívico, (14) 17-47.

Martínez, J. González, MD, Jiménez-Beatty, JE, Graupera, JL, Martín, M., Campos e outros, (2009). Os hábitos de atividade física das mulheres idosas na Espanha. International Journal of Sports Science, 5 (14), 81-93. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/2785139.pdf

MECD (2016). Anuário de Estatística Esportiva. Madri: Ministério da Educação, Cultura e Esportes. Disponível em: https://www.mecd.gob.es/servicios-al-ciudadano-mecd/estadisticas/deporte/anuario-deporte.html

Ortega, E. & Peñalosa, J. (2012). Chaves para a crise econômica espanhola e desafios para crescer na UEM. Documentos ocasionais n º 1201. Madri: Banco de Espanha, Eurosystem. Disponível em: http://bit.ly/174NDrY

Ortín, J. (2010). Radiografia do setor privado de instalações esportivas na Espanha. Instalações esportivas XXI (166), 24-27.

Portela, JT, Correa, AS, Moreno, MO e Olivares, RE (2014). Situação actual e desafios futuros para as PME espanholas. Instituto de Estudos Econômicos. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/libro?codigo=566289

Estudos de Telecyl (2006). Estudo setorial: atividades esportivas e suas instalações, principais conclusões. Estudo realizado pela Fundação Tripartida para treinamento no trabalho.

União Europeia. Recomendação da Comissão, de 6 de maio de 2003, sobre a definição de micro, pequenas e médias empresas. Jornal Oficial da União Europeia, L124, 20 de maio de 2003, 36-38. Disponível em: http://eur-lex.europa.eu/legal-content/ES/TXT/?uri=LEGISSUM:n26026

Villalba., NV (2009). Dinâmica do tamanho dos negócios na Espanha e nas regularidades empíricas da União Europeia. Economia Industrial, 163-37. Disponível em: https://eco.mdp.edu.ar/cendocu/repositorio/00867.pdf

Vithessonthi, C., & Tongurai, J. (2015). O efeito da empresa na relação alavancagem-desempenho durante a crise financeira de 2007-2009. Jorurnal of Multinational Financial Management, 29, 1-29. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1042444X14000565

Yserte, RG, Rivera, MTG e Gautier, DM (2016). A crise econômica e a geografia do tecido empresarial espanhol: 2000-2013. Journal of Regional Studies, (106), 165-195. Disponível em: http://search.proquest.com/openview/7aff01d57f939341b9ba2e8abc6ad351/1?pq-origsite=gscholar&cbl=2028

Endereço: http://www.podiumreview.org.br/ojs/index.php/rgesporte/article/view/227

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.