As Relações Entre as Características Antropométricas e a Eficiência na Realização de Técnicas de Mão, Quadril e Perna no Judô

Por: Jairo Santarém Teixeira.

2007

Send to Kindle


Resumo

Este estudo descreve as relações entre as características antropométricas e a eficiência na realização de técnicas de mão, quadril e perna no Judô. Para tanto, foram analisadas através de cinemetria, três judocas da Grande Florianópolis com características antropométricas diferentes para a estatura, que foram projetados por um mesmo judoca de estatura mediana. Foram tomados como indicadores de eficiência nas técnicas os ângulos anatômicos de tronco, quadril e joelho; a velocidade de aplicação da técnica e a variação do deslocamento vertical do centro de massa do executante nas três etapas da técnica (desequilíbrio, encaixe e queda). Para coleta dos dados foi utilizado o Sistema Peak Motus para verificação das variáveis cinemáticas de tempo de execução, medição de ângulos, velocidade dos segmentos corporais e determinação do centro de massa. As coletas aconteceram no Laboratório de Biomecânica do Centro de Ciências da Saúde e do Esporte Centro de Educação Física e Fisioterapia da Universidade do Estado de Santa Catarina. Os dados foram normalizados e tratados através modelo estatístico para comparação de variáveis entre grupos one way ANOVA, e de estatística descritiva (p_0,05). Os resultados indicaram que há diferenças significativas para execução de técnicas de mão, quadril e perna em indivíduos de diferentes estaturas na maioria das variáveis selecionadas. Para deslocamento angular, em todas as técnicas e estaturas os movimentos seguiram um mesmo padrão com diferenças pequenas entres os sujeitos projetados, pode-se verificar que houve mais eficiência do tori ao projetar o uke menor que ele para a técnica de perna e ao projetar com as técnicas de quadril e mão o uke de maior estatura. Para o tempo de execução das técnicas, os resultados obtidos mostram que é necessário menos tempo para projetar indivíduos de maior estatura com exceção da técnica o soto gari que teve maior tempo de projeção para a estatura mais alta. Com relação ao deslocamento vertical do centro de massa, a trajetória no plano vertical apresentou mesmo padrão de movimento com valores menores para a projeção do uke de menor estatura do inicio ao fim das técnicas e valores semelhantes para a projeção de ukes de estatura media e alta. Pode-se concluir com este estudo que as variáveis selecionadas influenciaram na eficiência de aplicação das técnicas em indivíduos de diferentes características antropométricas para estatura.

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.