Associação Entre a Dinâmica da Pobreza Familiar e o Risco de Excesso de Peso na Infância e os Comportamentos de Saúde nos Estados Unidos: Um Estudo Longitudinal Representativo a Nível Nacional de 8 Anos com 16.800 Crianças.

Por: H. Xue, J Min e Y Wang.

Pediatric Obesity - 2018

Send to Kindle


Resumo

ANTECEDENTES: Nenhum estudo examinou como o padrão de dinâmica da renda influencia tanto a trajetória do índice de massa corporal (IMC) e os comportamentos de saúde das crianças.

OBJETIVOS: Examinar a associação entre a dinâmica da pobreza das famílias e o risco de sobrepeso na infância nos EUA.

MÉTODO: Utilizando os dados longitudinais de 16.800 crianças (do jardim de infância ao oitavo ano) no estudo nacional Longitudinal Childhood Study, Kindergarten Class 1998-1999, examinamos as diferenças na trajetória do IMC, comportamentos de saúde relacionados ao peso e risco de excesso de peso em associação com a dinâmica da pobreza no domicílio durante o acompanhamento (nunca [sem experiência de pobreza], transitória [uma vez], recorrente [≥2 vezes] e persistente ruim [permaneceu]) usando modelos mistos com funções polinomiais fracionárias e estimando modelos de equações.

RESULTADOS: No geral, as crianças que vivenciavam a pobreza tinham maior probabilidade de ter uma trajetória de crescimento do IMC e comportamentos alimentares e sedentários adversos em comparação com os nunca pobres. As crianças recorrentemente pobres (12,8%) tiveram a trajetória de IMC mais rápida, maior prevalência de sobrepeso / obesidade de 5 a 16 anos e maior proporção de consumo excessivo de sódio / fast food e exercícios irregulares no 8º ano do que outras (p <0,05). Os persistentemente pobres (8,4%) foram os mais baixos na trajetória de crescimento do IMC, mas tornaram-se os segundos mais altos na obesidade infantil através de um aumento constante no IMC ao longo do tempo. Crianças no grupo recidivantemente pobre tiveram um risco 1,5 vezes maior (IC 95% = 1,0-2,2) de sobrepeso do que aquelas que nunca experimentaram a pobreza durante o acompanhamento.

CONCLUSÕES: A experiência da pobreza recorrente nos domicílios teve uma associação significativa com os comportamentos alimentares adversos das crianças e aumentou o risco de obesidade subsequentemente. (Trad. Fabio Carvalho)

Endereço: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30110714

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.