Associação Entre Necessidades Psicológicas Básicas da Teoria da Autodeterminação e Percepção da Coesão do Grupo Entre Atletas de Futsal de Alto Rendimento

Por: Adson Alves da Silva, Carla Thamires Laranjeira Granja, Daniel Vicentini de Oliveira, José Roberto Andrade do Nascimento Junior, e Marina Pereira Gonçalves.

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.21 - 2019

Send to Kindle


Resumo

Este estudo tem como objetivo investigar a associação entre a satisfação das necessidades psicológicas básicas da teoria da autodeterminação e a percepção da coesão do grupo em atletas de futsal do sexo masculino. No total, 301 atletas de 20 equipes participantes da Liga Brasileira de Futsal participaram deste estudo. Os instrumentos utilizados foram a Escala Básica de Satisfação das Necessidades no Esporte (BNSSS) e o Questionário Ambiental do Grupo (GEQ). A análise dos dados foi realizada através da Modelagem de Equações Estruturais. Os resultados revelaram que a satisfação das necessidades psicológicas básicas apresentou associação significativa com a coesão do grupo, explicando 28% da coesão da tarefa e 63% das variações da coesão social. A satisfação das três necessidades psicológicas básicas está associada à coesão da tarefa, enquanto apenas a satisfação das necessidades psicológicas básicas de afinidade e competência foi associada à coesão social. Concluiu-se que, no contexto do futsal de alto desempenho, a satisfação dos atletas com suas necessidades psicológicas básicas está associada ao envolvimento com os objetivos da equipe e à probabilidade de fazer amigos dentro do grupo.

Referências

Filho E, Dobersek U, Gershgoren L, Becker B, Tenenbaum G. A relação coesão-desempenho no esporte: uma metanálise retrospectiva de 10 anos. Sport Sci Health 2014; 10 (3): 165-77.

Benson AJ, Siska P, Eys M, Priklerová S, Slepicka P. Um exame multinível prospectivo da relação entre coesão e desempenho de equipes no esporte juvenil de elite. Psychol Sport Exerc 2016; 27: 39-46.

Noce F. Análise do estresse psíquico em atacantes no voleibol de alto nível. Rev Paul Educ Fís 2002;16(2):113-29.

Carron AV, Widmeyer WN, Brawley LR. O desenvolvimento de um instrumento para avaliar a coesão em equipes esportivas: The Group Environment Questionnaire. J Sport Psychol 1985; 7 (3): 244-66.

Eys MA, Brawley LR. Reflexões sobre pesquisa de coesão com grupos de esporte e exercício. Social Personal Psychol Compass 2018; 12 (4): e12379.

Carron AV, Brawley LR. Coesão: questões conceituais e de medição. Small Group Res 2012; 43 (6): 726-43.

Vieira LF, Nascimento Júnior JRA, Vieira JLL. Perfeccionismo e nível de coesão de grupo de esportistas adultos de futsal. Rev Psicol Deporte 2013; 22 (2): 331-6.

Nascimento Junior JRA, Vieira LF. Group cohesion and coach leadership based on the competitive level of teams in the context of Paraná's indoor soccer. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2013;15(1):89-102.

Paes MJ, Machado TA, Barbetz SR, Stefanello JMF. Frequência, intensidade e direção da ansiedade e sua relação com a coesão grupal em uma equipe de voleibol infanto-juvenil masculina. Rev Bras Psicol Esp 2016;6(3):46-56.

Nascimento Junior JRA, Vieira LF, Souza EA, Vieira JLL. Nível de satisfação do atleta e coesão de grupo em equipes de futsal adulto. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2011;13(2):138-44.

Balbim GM, Nascimento Junior JRA, Vieira LF. Analysis of group cohesion levels and pre-competitive psychological stress in volleyball athletes. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2012;14(6):704-712.

Ryan RM, Deci EL. Teoria da autodeterminação: Necessidades psicológicas básicas de motivação, desenvolvimento e bem-estar. Publicações de Guilford; 2017.

Deci EL, Ryan RM. Teoria da auto-determinação. In: Deci EL, Ryan RM, organizadores. Manual de teorias da psicologia social. Coleção Geral Moody; 2012. p.416-437.

Rigby CS, Ryan RM. Teoria da autodeterminação no desenvolvimento de recursos humanos: novas direções e considerações práticas. Adv Develop Hum Resour 2018; 20 (2): 133-147.

Gené P, Latinjak AT. Relação entre necessidades básicas e autodeterminação em atletas de elite. Cadernos de Psicologia do Esporte 2014; 14 (3): 49-56.

Nascimento Junior JRA, Vissoci JRN, Lavallee D, Codonhato R, Nascimento JV, Vieira LF. O papel mediador da satisfação das necessidades básicas sobre a relação dos traços do perfeccionismo e a coesão da equipe entre atletas de futsal de elite. Int J Sport Psychol, 2017; 48 (6): 591-609.

Raabe J, Zakrajsek RA, Readdy T. Influência dos companheiros de equipe na satisfação das necessidades psicológicas básicas dos nadadores colegiados: uma perspectiva qualitativa. J Intercoll Sport 2015; 9 (1): 27-49.

Erikstad MK, Martin LJ, Haugen T, Høigaard R. Coesão do grupo, precisa de satisfação e aprendizado auto-regulado: um estudo prospectivo de um ano sobre as percepções dos jogadores de futebol juvenil de elite sobre seu time. Psychol Sport Exerc 2018; 39 (1): 171-178.

Nascimento Junior JRA. Vieira LF, Rosado AFB, Serpa S. Validation of the Group Environment Questionnaire (GEQ) for Portuguese language. Motriz 2012;18(4):770-82.

Hair J, Black W, Babin B, Anderson R, Tatham R. Análise de dados multivariada. Hoboken, NJ: Pearson Education; 2014.

Nascimento Junior JRA, Vissoci JRN, Vieira LF. Validação da versão brasileira da Escala de Satisfação das Necessidades Básicas no Esporte (BNSSS). Psic: Teor Pesq 2018; 34(e3456):1-8.

Ng JYY, Lonsdale C, Hodge K. The Basic Needs Satisfaction in Sport Scale (BNSSS): desenvolvimento de instrumentos e evidências de validade inicial. Psychol Sport Exerc 2011; 12: 257-264.

Marôco J. Análise de equações estruturais. Pêro Pinheiro: Report Number; 2010

Byrne B. Modelagem de equações estruturais com AMOS: Conceitos básicos, aplicativos e programação. Trenton, NJ: Lawrence Erlbaum; 2010.

Kline RB. Princípios e práticas de modelagem de equações estruturais. Nova York: The Guilford Press; 2012.

Rigby CS, Ryan RM. Teoria da autodeterminação no desenvolvimento de recursos humanos: novas direções e considerações práticas. Adv Dev Hum Resour 2018; 20 (2): 133-147.

González FJ, Borges RM, Sfalcin A. O sonho acabou! Abandono da carreira esportiva de atletas profissionais de futebol. Rev Corpoconsciência 2015;19(1):1-10.

Caregnato AF, Gonçalves CE, Souza DL, Capraro AM, Silva CL, Cavichiolli FR. Motivos que levam os jovens atletas a abandonar o futsal competitivo em um clube brasileiro. R. bras. Ci. e Mov. 2016;24(2):63-73.

Taylor IM, Bruner MW. O ambiente social e as experiências de desenvolvimento no futebol juvenil de elite. Psychol Sport Exerc 2012; 13 (4): 390-96.

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2019v21e57369

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.