Associação Entre o Excesso de Peso e Quantidade de Barreiras Para a Atividade Física

Por: , G. S. Goulardins e I. P. Teixeira.

IX Congresso Internacional de Educação Física e Motricidade Humana XV Simpósio Paulista de Educação Física

Send to Kindle


Resumo

Metade da população se encontra insuficientemente ativa enquanto isso o excesso de peso vem aumentando. As barreiras para a atividade física (AF) podem ser aspectos ambientais, pessoais e sociais. Identificar as barreiras percebidas, torna mais eficaz a mudança de comportamento. Considerando a relação entre a prática de AF e o controle do peso corporal, identificar as barreiras é importante para reverter o aumento do excesso de peso da população. O objetivo foi verificar a associação entre excesso de peso e quantidade de barreiras para a prática de AF. Estudo transversal desenvolvido em 2008 com 1588 adultos de ambos os sexos residentes na cidade de Rio Claro - SP. Os participantes foram entrevistados e responderam um questionário, com perguntas referentes a características pessoais, nível de atividade física e o questionário de barreiras para a prática de AF. As barreiras avaliadas por esse questionário são relativas a falta de tempo, já ser suficientemente ativo, falta de companhia, falta de dinheiro, ser velho demais, possuir alguma doença ou lesão, saúde muito ruim, ser muito tímido, experiência desagradável, instalações adequadas, necessidade de relaxar, sentir desanimado, medo de se machucar ou cair, gostar da prática, possuir roupas e equipamentos, desistir facilmente, sentir muito gordo ou magro, falta de energia, falta de segurança, clima desfavorável e acreditar nos benefícios da atividade física. O Índice de massa corporal (IMC), foi calculado através do peso (kg) e altura (metros) auto relatados. Os indivíduos classificados com o IMC acima de 25 kg/m² foram classificados com excesso de peso e abaixo disso como eutróficos. Para verificar a associação entre a quantidade de barreiras e os grupos de classificação do IMC foi utilizado o teste qui-quadrado, já para a comparação das médias das barreiras entre os gêneros e os grupos de classificação do IMC, o teste - t foi utilizado, e adotado uma significância de p<0,05, e as análises realizadas no SPSS. O grupo com excesso de peso apresentou um número maior de barreiras para a AF quando comparado com o grupo dos eutroficos (x= 7,89 ±2,72 vs 7,31 ±2,65, p<0.01). Com relação ao gênero, as mulheres possuem um número maior de barreiras quando comparado aos homens (x= 7,95 ± 2,76 vs 7,18 ± 2,56, p<0,01). Entre os homens o excesso de peso foi associado com as barreiras de falta de tempo, sentir muito gordo ou magro e a falta de energia. Já para as mulheres essa associação foi observada para as barreiras: falta de tempo, ser velho demais, possuir alguma doença ou lesão, saúde muito ruim, medo de se machucar ou cair, sentir- se muito gorda ou magra. Foi observado que a quantidade de barreiras para a prática de AF está associada com o excesso de peso, porém esse comportamento é diferente entre homens e mulheres. Recomenda-se a criação políticas públicas visando um aumento da AF para o controle do peso corporal que levem em consideração essas diferenças.

Endereço: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/10060/10060

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.