Atividade Física e Barreiras em Crianças de Pelotas com Autismo

Por: Gabriele Radunz Kruger.

102 páginas. 2015 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

O autismo é um transtorno complexo e abrangente do neurodesenvolvimento, caracterizado por déficit na interação social, na comunicação, e pela presença de comportamentos restritos e estereotipados. Esses déficits podem ser amenizados com uma prática regular de atividade física. Além disso, diversas são as barreiras para a prática da atividade física na infância, sobretudo em crianças com autismo. Com isso, o objetivo desta pesquisa é descrever o padrão de atividade física de crianças com autismo entre quatro e 10 anos de idade residentes de Pelotas e investigar as barreiras para a prática de atividade física neste mesmo grupo de crianças. A amostra foi composta por 73 crianças com autismo, com idades entre quatro e 10 anos, residentes na cidade de Pelotas-RS. Os indivíduos foram selecionados das instituições que atendem crianças com autismo da cidade. Os pais responderam um questionário e auxiliaram as crianças a utilizarem o acelerômetro Actigraph WGT3X+ por 7 dias consecutivos. Em relação aos dados relacionados aos níveis de atividade física, 19 crianças (28,8%) foram consideradas ativas de acordo com os dados da acelerometria e 23 (31,5%) crianças pelos dados do questionário. As variáveis que obtiveram diferenças significativas quando comparadas atividade física medida pelo questionário, foram o poder aquisitivo (p=0,02), a situação conjugal dos pais (p=0,008) e a AF regular dos pais (p=0,005). Ao comparar com atividade física pelo acelerômetro não foi encontrada nenhuma associação significativa. Em relação às barreiras as mais citadas foram: ausência de projetos sociais para inserção da criança em programas de atividade física; falta de locais acessíveis próximo da residência da família; falta de dinheiro para realizar atividades físicas; preferência por realizar outras atividades e; não ter companhia dos amigos para realizar alguma atividade física. Conclui-se que há diferenças importantes nas estimativas de atividade física mensurada por questionário e acelerômetros. E o número de barreiras percebidas foi uma variável fortemente associada com a prática da atividade física no lazer medida pelo questionário, visto que, as crianças menos ativas percebem mais barreiras.

Endereço: http://wp.ufpel.edu.br/ppgef/arquivo-de-dissertacoes-2015/

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.