Atividade Física no Lazer Como Critério Discriminante do Menor Nível de Estresse Percebido em Adolescentes

Por: Camilo Luís Monteiro Lourenço, Edmar Lacerda Mendes, Gersiel Nascimento de Oliveira Júnior e Hugo Ribeiro Zanetti.

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.25 - n.3 - 2017

Send to Kindle


Resumo

O objetivo do presente estudo foi identificar os pontos de corte do tempo despendido em atividades físicas no lazer (AFL) de diferentes intensidades como critério discriminante do menor nível de estrese percebido (MEP) em adolescentes. Trata-se de um estudo transversal com amostra composta por adolescentes de 14 a 18 anos, de ambos sexos, do ensino médio regular. Dados da atividade física e do MEP foram obtidos por meio do questionário COMPAC. MEP foi considerada variável de classificação, enquanto minutos em atividades físicas no lazer (AFL) de intensidade moderada (AFLM), vigorosa (AFLV) e moderada a vigorosa (AFLMV) as variáveis de teste. Na análise dos dados foi usada a curva ROC, complementadas por valores de sensibilidade e especificidade, adotando-se área sob a curva (AUC > 0,50) e p < 0,05. A amostra final deste estudo foi de 984 adolescentes (idade: rapazes = 15,93 ± 1,10 anos; moças = 15,87 ± 1,04 anos) com maior proporção de moças (n = 544; 55,3%). O tempo despendido em AFLM ? 40 min/sem (sensibilidade = 41,7%; especificidade = 75,7%; AUC = 0,59; p<0,002) e, AFLMV ? 80 min/sem (sensibilidade = 83,2%; especificidade = 36,2%; AUC = 0,58; p < 0,04) para os rapazes apresentou poder discriminante para MEP. AFLM e AFLMV apresentaram poder discriminatório para o MEP em adolescentes do sexo masculino, entretanto, o tempo despendido como critério discriminante para o MEP foi abaixo do recomendado para essa população.Referências 1. Brêtas JR da S, Moreno RS, Eugenio DS, Sala DCP, Vieira TF, Bruno PR. Passage rituals according to adolescents. Acta Paul. Enferm. 2008; 21(3): 404-11. 2. Haywood KM, Getchell N. Desenvolvimento Motor ao Longo da Vida. 6. ed. Porto Alegre: Artmed Editora; 2016. 3. Pires EA, Duarte MFS, Pires MC, Souza GS. Hábito de atividade física e o estresse em adolescentes de Florianópolis - SC, Brasil. Rev. Bras. Ciênc. Mov. 2008; 12(1): 51-56. 4. Nahas MV. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 6. ed. Londrina: Midiograf; 2013. 5. Pereira LZ, Zille GP. O estresse no trabalho: uma análise teórica de seus conceitos e suas inter-relações. Gest. Soc. 2010; 4(7): 414-34. 6. Margis R, Picon P, Cosner AF, Silveira R de O. Relação entre estressores, estresse e ansiedade. Rev. Psiquiatr. Rio Gd. Sul. 2003; 25(1): 65-74. 7. Soares AJA, Alves MGP. Cortisol como variável em psicologia da saúde. Psicol. Saúde Amp. Doenças. 2006; 7(2): 165-77. 8. Hallal PC, Victora CG, Azevedo MR, Wells JCK. Adolescent physical activity and health: a systematic review. Sports Med. Auckl. NZ. 2006; 36(12): 1019-30. 9. Nunomura M, Teixeira LAC, Caruso MRF. Nível de estresse, qualidade de vida e atividade física: uma comparação entre praticantes regulares e ingressantes sedentários. Rev. Bras. Atividade Física Saúde. 1999; 4(3): 17-26. 10. Nunomura M, Teixeira LAC, Fernandes MRC. Nível de estresse em adultos após 12 meses de prática regular de atividade física. Rev. Mackenzie Educ. Fís. Esporte. 2004; 3(3): 125-34. 11. Antunes HKM, Santos RF, Cassilhas R, Santos RVT, Bueno OFA, Mello MT. Exercício físico e função cognitiva: uma revisão. Rev. Bras. Med. Esporte. 2006; 12(2): 108-14. 12. Cheik NC, Reis IT, Heredia RAG, Ventura ML, Tufik S, Antunes HKM, et al. Efeitos do exercício físico e da atividade física na depressão e ansiedade em indivíduos idosos. Rev. Bras. Ciênc. Mov. 2003; 11(3): 45-52. 13. Costa RA, Soares HLR, Teixeira JAC. Benefícios da atividade física e do exercício físico na depressão. Ver. Dep. Psicol. UFF. 2007; 19(1): 273-4. 14. World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health. Geneva, Switzerland: World Health Organization; 2010. 15. Hajian-Tilaki K. Sample size estimation in diagnostic test studies of biomedical informatics. J. Biomed. Inform. 2014; 48: 193-204. 16. Silva KS, Lopes ADS, Hoefelmann LP, Cabral LGA, Bem MFL, Barros MVG, et al. Projeto COMPAC (Comportamentos dos Adolescentes Catarinenses): aspectos metodológicos, operacionais e éticos. Rev. Bras. Cineantropom. Desempenho Hum. 2013; 15(1): 1-15. 17.Ridley K, Ainsworth BE, Olds TS. Development of a Compendium of Energy Expenditures for Youth. Int. J. Behav. Nutr. Phys. 2008; 5(1): 45. 18. Hajian-Tilaki K. Receiver Operating Characteristic (ROC) Curve Analysis for Medical Diagnostic Test Evaluation. Casp. J. Intern. Med. 2013; 4(2): 627-35 19. Liu M, Wu L, Ming Q. How does physical activity intervention improve self-esteem and self-concept in children and adolescents? Evidence from a meta-analysis. PLoS ONE. 2015; 10(8): 1-17 97 Atividade física no lazer e estresse R. bras. Ci. e Mov 2017;25(3):90-97. 20. Warburton DE, Charlesworth S, Ivey A, Nettlefold L, Bredin SS. A systematic review of the evidence for Canada’s Physical Activity Guidelines for Adults. Int. J. Behav. Nutr. Phys. Act. 2010; 7(1): 39. 21.Janssen I, LeBlanc AG. Review Systematic review of the health benefits of physical activity and fitness in schoolaged children and youth. Int J Behav Nutr Phys Act. 2010; 7(40): 1-16. 22. Department of Health - Australian Government. Australia’s Physical Activity and Sedentary Behaviour Guidelines for Young People (13-17 years) [Internet]. Canberra: Department of Health - Autralian Government; 2014. Disponível em: http://www.health.gov.au/internet/main/publishing.nsf/content/F01F92328EDADA5BCA257BF0001E720D/$File/broc hure%20PA%20Guidelines_A5_13-17yrs.PDF 23. Oliveira LC, Ferrari GLM, Araújo TL, Matsudo V. Overweight, obesity, steps, and moderate to vigorous physical activity in children. Rev. Saúde Pública. 2017; 51(0). 24. Sousa TF, Barbosa AR, Coelho FT. Tempo de prática de atividade física no lazer como fator discriminatório da ausência de excesso de peso corporal. Rev. Bras. Ativ. Fis. Saúde. No prelo. 25. Stabelini Neto A, Campos W, Santos GC, Mazzardo Junior O. Metabolic syndrome risk score and time expended in moderate to vigorous physical activity in adolescents. BMC Pediatr. 2014; 14: 42 26. Dias LS, Zanini SDS. Coping e saúde mental de adolescentes vestibulandos. Estud. Psicol. 2011; 16(2): 147-154. 27. Faro A, Pereira ME. Medidas do estresse: uma revisão narrativa. Psicol. Saúde Amp. Doenças. 2013; 14(1): 101-24

Endereço: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/90

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.