Atividades Circenses na Escola: a Prática dos Professores da Rede Municipal de Campinas-sp

Por: Gilson Santos Rodrigues, , e Teresa Barragán Ontañón.

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.25 - n.4 - 2017

Send to Kindle


Resumo

Estudos recentes mostram que as aulas de Educação Física tem sido uma das principais “portas de entrada” dos saberes circenses nas escolas, indicando um crescente interesse por parte dos professores de Educação Física pelo ensino das atividades circenses. Embora a produção acadêmica nesse tema tenha aumentado significativamente, as particularidades da “pedagogia das atividades circenses” no contexto da Educação Física escolar ainda carecem de análises específicas. Visando contribuir com este tema, o objetivo desse trabalho foi analisar o ensino das atividades circenses nas aulas de Educação Física escolar no ensino fundamental (1º ao 9º ano) em escolas municipais de Campinas-SP. Do ponto de vista metodológico realizamos uma pesquisa de campo por meio de um questionário semiestruturado online respondido por 26 professores de Educação Física da rede municipal de ensino. Os dados obtidos foram analisados por meio de uma combinação da Análise de Conteúdo e da Estatística Descritiva. Constatamos que metade dos professores ministravam aulas de atividades circenses e que dentre as fontes referenciais utilizadas os vídeos e imagens disponíveis na internet e os livros foram as mais consultadas. A manipulação de objetos (malabarismos), as acrobacias e os equilíbrios (funambulismo) são os grupos de modalidades mais abordadas nas aulas. Os conhecimentos prévios e interesses dos alunos, a complexidade das práticas, os conhecimentos específicos dos professores e os recursos materiais disponíveis representaram critérios fundamentais para a seleção das modalidades a serem ministradas. Entre os professores que não abordavam a temática, encontramos que a maioria não teve formação na área não se sentindo competente para ensinar. Nos parece, em suma, que os materiais didáticos precisam adequar-se às novas tecnologias disponíveis online, visando aproximar a produção acadêmico-científica da realidade escolar, e que é preciso atentar-te para a formação continuada dos profissionais.Referências 1. Duprat RM, Gallardo JSP. Artes Circenses no âmbito escolar. Ijuí: UNIJUÍ; 2010. 2. Price C. Circus for Schools: Bringing a Circo Arts Dimension to Physical Education. PHEnexJournal/ Revuephén EPS. 2012; 4(1). 3. Invernó J. Circo y Educación Física: otra forma de aprender. Barcelona: INDE, 2003. 4. Bortoleto MAC, Machado GA. Reflexões sobre o Circo e a Educação Física. Corpoconsciência. 2003; 2(12): 36-69. 5. Fouchet A. Las Artes del Circo: Una aventura pedagógica. Buenos Aires: Editorial Stadium, 2006. 6. Duprat RM, Ontañón TB, Bortoleto MAC. Atividades Circenses. In: González FJ, Darido SC, Oliveira AAB. organizador. Ginástica, dança e atividades circenses. Maringá: Editora UEM (EDUEM); 2014. 3 v. p.119-157. Disponível em: http://www.esporte.gov.br/arquivos/snelis/segundoTempo/livros/ginasticaDancaAtividades.pdf/ [2016 jul 28]. 7. Miranda RCF, Ayoub E. As práticas circenses no “tear” da formação inicial em educação física: novas tessituras para além da lona. Movimento. 2016; 22(1): 187-198. 8. Hauffe MK, Góis Junior E. A Educação Física e o funâmbulo: entre a arte circense e a ciência (século XIX e inicio do século XX). Rev. Bras. Ciênc. Esporte. 2014; 36(2): 547-559. 9. Soares CL. Imagens da educação no corpo: estudo a partir da ginástica francesa no século XIX - 3. ed. Campinas(SP): Autores Associados; 2005. 10. Zanotto L, Souza Júnior OM. Atividades circenses na Educação Física: transformando a escola em picadeiro. Corpoconsciência. 2016; 20(2): 23-32. 11. Ontañón TB. Atividades circenses na educação escolar: equilíbrios e desequilíbrios pedagógicos. [Dissertação de Mestrado]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2012. 12. Ontañon TB, Duprat RM, Bortoleto MAC. Educação Física e Atividades Circenses: O estado da arte 139 Atividades circenses na escola R. bras. Ci. e Mov 2017;25(4):128-140. 21. Brasil. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes curriculares nacionais: educação básica. Brasília; 2010. 22. Hotier H. La fonction éducative du cirque, texts rassemblés et présentés. Paris: L´Harmattan; 2003. 23. Bortoleto MAC. Atividades circenses: notas sobre a pedagogia da educação corporal e estética. Cadernos de Formação RBCE. 2011; 2(2): 43-55. 24. Ontañón TB, Bortoleto MAC, Silva E. Educación corporal y estética: las actividades circenses como contenido de la educación física. Revista Iberoamericana de Educación. 2013; 62: 233-243. 25. Triviños ANS. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas; 1992. 26. Kidder LH. Métodos de pesquisa nas relações sociais: delineamentos de pesquisa. São Paulo: EPU; 1987. 27. Duprat RM. Atividades circenses: possibilidades e perspectivas para a Educação Física escolar. [Dissertação de Mestrado]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2007. 28. Milani CS. O circo na educação física escolar: representações no distrito de Barão Geraldo. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2015. 29. Sebire SJ, Standage M, Vansteenkiste M. Development and Validation of the Goal Content for Exercise Questionnaire. Journal of Sport & Exercise Psychology. 2008; 30: 353-377. 30. IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População da cidade de Campinas-SP; estimativa de 2016. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=350950 [2016 nov 21]. 31. CAMPINAS-SP (Cidade-Estado) Atuação da Secretaria Municipal de Campinas-SP. Disponível em: . [2016 mar 22]. 32. Bortoleto MAC, Celante AR. O ensino das atividades circenses no curso de Educação Física: experiências na universidade pública e privada. In: Elizabeth MAP, Celani G, Dora M, Grassi-Kassisse, organizadores. Inovações curriculares: experiências no ensino superior. Campinas-SP: FE-UNICAMP; 2011. p. 178-190. 33. Bortoleto MAC, Duprat RM, Tucunduva BBP. As atividades circenses na FEF-UNICAMP: a construção de uma nova área de estudos e pesquisa. In: Bortoleto MAC, Ontañón TB, Silva E, organizadores. Circo: Horizontes educativos. Campinas: Autores Associados; 2016. p. 225-257. 34. Domingos MGFG. O ensino da Ginástica nas escolas de Campinas - SP: Presenças e Ausências. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2015. 35.Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011. 36. Souza Junior MBM, Melo MST, Santiago ME. A análise de conteúdo como forma de tratamento dos dados numa pesquisa qualitativa em Educação Física Escolar. Revista Movimento. 2010; 16(13): 31-49. 37. Benites LC, Nascimento JV, Milistetd M, Farias GO. Análise de conteúdo na investigação pedagógica em educação física: estudo sobre estágio curricular supervisionado. Revista Movimento. 2016, 22(1): 35-50. 38. Morettin PA, Bussab W. Estatística Básica. 5. ed. São Paulo: Saraiva; 2004. 39. Duprat RM, Bortoleto MAC. Educação Física Escolar: Pedagogia e didática das atividades circenses. RBCE. 2007; 28(2): 171-190. 40. Silva E. O novo está em outro lugar. Artigo publicado in Palco Giratório, 2011: Rede Sesc de Difusão e Intercâmbio das Artes Cênicas. SESC, Departamento Nacional. 2011. p. 12-21. 41. Fernandes RC. Do tecido à lona: as práticas circenses no “tear” da formação inicial em educação física. [Tese de Doutorado]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2014. 42. Tucunduva BBP. O circo na formação inicial em educação física: inovações docentes, potencialidades circenses. [Tese de Doutorado]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2015. 43. Mercado LL. Novas tecnologias na educação: reflexões sobre a prática. Maceió: EDUFAL; 2002. 44. Moran JM. Como utilizar a internet a educação. Relatos de experiência. Revista Ciência da Informação. 1997; 26(2). 45. Circonteúdo. 2009. Visão institucional do site. Disponível em: http://www.circonteudo.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1820&Itemid=269 [2016 mai 28]. 46. Daolio J. Educação física e o conceito de cultura. Campinas, SP: Autores Associados; 2004. 47. Silva MR. O tecido circense como prática corporal na escola: experiências e perspectivas. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2014. CARDANI et al. R. bras. Ci. e Mov 2017;25(4):128-140. 140 48.Bortoleto MAC. Circo y educacion física los Juegos Circenses como recurso pedagógico. Rev. Stadium. 2006; 195: 5-15. 49. Rodrigues GS, Prodócimo E, Ontañón TB. Circo coragem: o jogo estratégia de ensino das atividades circenses. NUANCES: Estudos sobre Educação. 2016; 27(1). 50. Lopes DC, Parma M. Construção de malabares passo a passo. Várzea Paulista, SP: Fontoura; 2016. 51. Ferreira DL, Bortoleto MAC, Silva E. Segurança no circo: questão de prioridade. Várzea Paulista, SP: Fontoura; 2015. 52.Campinas. Diretrizes Curriculares da Educação Básica para o Ensino Fundamental – Anos Iniciais: Um processo Contínuo de Reflexão e Ação. Prefeitura Municipal de Campinas, Secretaria Municipal de Educação, Departamento Pedagógico / organização e coordenação: Heliton Leite de Godoy. Campinas, SP: 2012.

Endereço: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/7723

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.