Atuação Profissional e Condições de Trabalho do Educador Físico em Academias de Atividades Físicas

Por: .

256 páginas. 2010 10/06/2010

Send to Kindle


Resumo

Embora o Educador Físico (EF) seja sempre destacado como importante agente promotor de saúde e qualidade de vida, são raras as pesquisas acerca de sua atuação profissional e condições de trabalho, bem como as repercussões destas em sua saúde e qualidade de vida. O objetivo foi trazer à evidência científica aspectos da atuação profissional e condições de trabalho do EF atuante em academias de Brasília (DF), sendo utilizada pesquisa descritiva com uso de questionário semiaberto, gerando coleta de respostas de 53 EFs (52 graduados e 1 provisionado), atuantes em 4 academias selecionadas conforme década de fundação e representatividade na cidade, classificadas por Bertevello (2006B) como Média Empresa e Grande Empresa. Foram pesquisados fatores que correspondessem às categorias atuação profissional e condições de trabalho com o intuito de refletir criticamente acerca das categorias analisadas e os rumos da profissão. A caracterização dos profissionais pesquisados evidencia diferenças de gênero entre homens e mulheres no relativo à freqüência, relações de trabalho e áreas de atuação. Os EFs começam a atuar profissionalmente mesmo antes de sua formação, possuem em média dois empregos (54,7%), havendo EFs com 4 empregos (9,4%), cujo motivo recorrente é a alegada baixa remuneração, carga horária reduzida, porém intensa, e nem sempre com a correta contratação trabalhista. Embora a grande maioria tenha dito conhecer a legislação trabalhista, ainda que não de forma aprofundada, os EFs demonstraram aceitar contratos que não atendem a legislação em nome da aquisição de renda, embora a maioria dos contratos nas academias pesquisadas ocorra de forma coerente com a legislação (≈60%). Contudo, nos dados encontrados, assim como nos de Palma (2003) e Nogueira (2006), denota-se condições de trabalho nem sempre favoráveis, mas em sua maioria, mascaradas pela realização pessoal advinda da escolha vocacional da profissão. Em suma, verificou-se que o vertiginoso crescimento do ramo de academias de atividades físicas, inclusive como lócus de trabalho preferencial dos recém-formados, não corresponde a melhores condições de trabalho para os Educadores Físicos. A maioria dos EFs não conhece e não é filiada a alguma APEF, e poucos são filiados ao sindicato respectivo. O sindicato correspondente a categoria no DF, por sua vez, não está preparado para assistir as causas específicas da categoria. Foi verificada baixa conscientização, mobilização e criticidade dos Educadores Físicos perante esta realidade. É necessário o estabelecimento de uma nova contratualidade, em que haja regulação e regulamentação da profissão. 

Endereço: http://repositorio.unb.br/handle/10482/8095

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.