Avaliação da Aprendizagem nas Aulas de Educação Física no Ensino Médio: Compreensão dos Alunos

Por: Ana Claudia Saladini e Milena Kashima.

Corpoconsciência - v.22 - n.3 - 2018

Send to Kindle


Resumo

O objetivo desta pesquisa foi mapear as concepções de estudantes do 3º ano do Ensino Médio sobre o processo de avaliação da aprendizagem nas aulas de Educação Física. Selecionamos uma turma do 3º ano do Ensino Médio de três escolas estaduais de Londrina, PR. Para a coleta de dados foi aplicado, junto aos estudantes selecionados, um questionário composto por 12 questões. Concluímos que para os alunos a avaliação da aprendizagem na Educação Física é uma prática para identificar o nível de aprendizagem, contudo, a nota acaba sendo a principal preocupação dos estudantes. Destaca-se ainda a dificuldade dos alunos em relacionar o que eles estudam com o seu cotidiano. Em futuras pesquisas sugere-se a investigação dos pressupostos epistemológicos que sustentam a práxis docente para compreendermos melhor os motivos pelos quais a avaliação da aprendizagem raramente é vista como componente da dinâmica do processo de ensinar e aprender.

Referências

ALMEIDA, José Luiz Vieira de; GRUBISICH, Teresa Maria. Ensino e aprendizagem na sala de aula: uma perspectiva não linear. In: GRANVILLE. Maria Antonia. Sala de aula: ensino e aprendizagem. Campinas, SP: Papirus, 2008.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Resolução nº 2, de 30 de janeiro de 2012. Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação, 2012.

CHAVES, Eduardo O. C. Tecnologia na educação, ensino à distância, e aprendizagem mediada pela tecnologia: conceituação básica. Revista de educação, v. 3, n. 7, p.29-43, nov. 1999.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

HADJI, Charles. Pensar e agir a educação: da inteligência do desenvolvimento ao desenvolvimento da inteligência. Porto Alegre, RS: Artmed, 2001.

______. Avaliação desmistificada. Porto Alegre, RS: Artmed, 2001.

HOFFMANN, Jussara. Pontos e contrapontos: do pensar ao agir em avaliação. 8. ed. Porto Alegre, RS: Mediação, 2005.

______. Avaliar: respeitar primeiro, educar depois. Porto Alegre, RS: Mediação, 2008.

LIBÂNEO, José Carlos. Fundamentos teóricos e práticos do trabalho docente: um estudo introdutório sobre pedagogia e didática. 1990. 495f. Tese (Doutorado em Filosofia e História da Educação). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1990.

______. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. São Paulo: Atlas, 2003.

MORAIS. Regis de. O que é ensinar. São Paulo: EPU, 1986.

PALMA, Ângela Pereira Teixeira Victória; OLIVEIRA, Amauri Aparecido Bássoli; PALMA, José Augusto Victória. Educação física e a organização curricular. 2. ed. Londrina, PR: EDUEL, 2010.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes curriculares da educação básica: Educação Física. Curitiba, PR, 2008.

PIMENTA, Selma Garrido; ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos. Docência no ensino superior. São Paulo: Cortez, 2002.

RICHARDSON, Roberto Jarry e colaboradores. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.

SALADINI, Ana Claudia. A educação física e a tomada de consciência da ação motora da criança. 2006. 224f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Estadual Paulista, Marília, SP: UNESP, 2006.

SÉRGIO, Manuel. Motricidade humana: contribuições para um paradigma emergente. Lisboa, Portugal: Instituto Piaget, 1994.

______. Epistemologia da motricidade humana. Lisboa, Portugal: Faculdade de Motricidade Humana, 1996.

SOARES, Carmem Lúcia. Imagens da educação no corpo: estudos a partir da ginástica francesa no século XIX. Campinas, SP. 1998.

Endereço: http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/corpoconsciencia/article/view/6637

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.