Avaliação da Implementação de Um Programa de Práticas Corporais de Aventura na Educação Física Escolar

Por: Alexander Klein Tahara, , e Tamires Alvarado de Freitas.

Arquivos em Movimento - v.12 - n.1 - 2016

Send to Kindle


Resumo

O objetivo desse estudo qualitativo foi analisar a implementação de um programa de práticas corporais de aventura (PCAs) nas aulas de Educação Física em uma escola. Avaliou-se as opiniões do professor de Educação Física e dos seus alunos envolvidos no processo, por meio de entrevista semiestruturada e questionário aberto, respectivamente. Os resultados demonstram que o processo foi importante por apresentar um novo conteúdo possível de ser desenvolvido nas aulas, uma vez que os alunos e o professor comentaram que desconheciam até então as PCA, mas ao mesmo tempo mostraram-se bastante motivados. Como dificuldades, os participantes salientaram a escassez de materiais na escola e falta de espaço físico adequado para a execução das práticas, mas consideram que as PCAs apresentam possibilidades de inserção no contexto escolar, mesmo que  de maneira adaptada, por ser uma manifestação que faz parte da cultura corporal de movimento. Concluiu-se que o processo permitiu uma ampliação de conteúdos desenvolvidos nas aulas e  oportunizou vivências significativas que, ao serem democratizadas, podem tornar outros processos semelhantes igualmente significativos.

REFERÊNCIAS ALVES, C. S. R.; CORSINO, L. N. O Parkour como possibilidade para a Educação Física Escolar. Motrivivência, Florianópolis, ano XXV, n. 41, p. 247-257, 2013.

AURICCHIO, J. R. Escalada na Educação Física Escolar. Orientação adequada para a prática segura. Lecturas: Educación Física y Deportes, Buenos Aires, v.14, n.139, dez.2009. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd139/escalada-na-educacao-fisica-escolar.htm Acesso em: 06 outubro 2014.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições70, 2004.

BETRÁN, J. O. Rumo a um novo conceito de ócio ativo e turismo na Espanha: as atividades físicas de aventura na natureza. In: MARINHO, A.; BRUHNS, H.T. (Orgs.). Turismo, lazer e natureza. São Paulo: Manole, 2003. p.157-202.

BETRÁN, J. O.; BETRÁN, A. O. Proposta Pedagógica para as Atividades Físicas de Aventura na Natureza (AFAN) na Educação Física do Ensino Médio. In: MARINHO, A.; BRUHNS, H. T. (Org.). Viagens, Lazer e Esporte: o espaço da natureza. Barueri: Manole, 2006. p.180-209.

BRUHNS, H. T. Lazer e meio ambiente: corpos buscando o verde e a aventura. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v.18, n.2, p.86-91, 1997.

CANTORANI, J. R. H.; PILATTI, L. A. O Nicho Esportes de Aventura: um processo de civilização ou descivilização? Lecturas: Educación Física y Deportes, Buenos Aires, v.10, n.87, 2005. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd87/aventur.htm Acesso em: 13 março 2015.

CAPAVERDE, M. R.; MEDEIROS, T. N.; ALVES, S. L. C. Esporte de Aventura nas aulas de Educação Física: uma alternativa ao alcance dos profissionais? Vento e Movimento, Osório, v. 1, n. 1, p. 49-59, 2012.

De Freitas et. al.; ARQUIVOS em MOVIMENTO, v.12, n.1, 4-16., Jan/Jun 2016 15

DARIDO, S. C.; RANGEL, I. C. A. (Org.). Educação física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005. 293 p.

DENCKER, A. F. M. Métodos e técnicas de pesquisa em turismo. 6. ed. São Paulo: Futura, 2002.

DIAS, C. A. G.; ALVES JÚNIOR, E. Conceptual notes regarding the sports in nature. The FIEP bulletin, Foz do Iguaçu, v.76, p.141-144, 2006.

FENSTERSEIFER, P. E.; SILVA, M. A. Ensaiando o “novo” em Educação Física Escolar: a perspectiva de seus atores. Rev. Bras. Ciênc. Esporte, Florianópolis, v.33, n.1, p.119-134, 2011.

FERNÁNDEZ-RÍO, J.; SUAREZ, C. Feasibility and students’ preliminary views on parkour in a group of primary school children. Physical Education and Sport Pedagogy, p.01-14, 2014.

FORQUIN, J. C. Currículo e cultura. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

FRANCO, L. C. P. Atividades Físicas de Aventura na Escola: uma proposta pedagógica nas três dimensões do conteúdo. [Dissertação de Mestrado – Programa de Pós Graduação em Ciências da Motricidade]. Rio Claro (SP): Universidade Estadual Paulista, 2008.

FRANCO, L. C. P. Atividades Físicas de Aventura: possibilidades no contexto escolar. In: DARIDO, S. C. et al. (Orgs.). Educação Física Escolar: compartilhando experiências. São Paulo: Phorte, 2011. p.265-285.

FRANCO, L. C. P.; CAVASINI, R.; DARIDO, S. C. Práticas corporais de aventura. In: GONZÁLEZ, F. J.; DARIDO, S. C.; OLIVEIRA, A. A. B. (Orgs.). Lutas, Capoeira e Práticas corporais de aventura: práticas corporais e a organização do conhecimento. Maringá: Eduem, 2014. p. 101-135.

GONÇALVES JÚNIOR, L.; CARMO, C. S.; COLLOCA, E. A.; CORRÊA, D. A. Projeto de Educação Ambiental e Lazer (PEDAL): dialogando a partir do cicloturismo na escola. Licere, Belo Horizonte, v.14, n.4, p.01-16, 2011.

MATTOS, M. G.; ROSSETTO JÚNIOR, A. J.; BLECHER, S. Teoria e prática da metodologia da pesquisa em educação física: construindo sua monografia, artigo científico e projeto de ação. São Paulo: Phorte, 2004.

PEREIRA, D. W.; ARMBRUST I. Pedagogia da Aventura: os esportes radicais, de aventura e de ação na escola. Jundiaí: Fontoura; 2010.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.

SCHWARTZ, G. M. (Org.). Aventuras na natureza: consolidando significados. Jundiaí: Fontoura, 2006.

TAHARA, A. K.; CARNICELLI FILHO, S. A presença das atividades de aventura nas aulas de Educação Física. Arquivos de Ciências do Esporte, Uberaba, v.1, n.1, p.60-66, 2013.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K.; SILVERMAN, S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

WILLIAM, A.; WAINWRIGHT, N. A new pedagogical model for adventure in the curriculum: part two – outlining the model. Physical Education and Sport Pedagogy, United Kingdom, v. 20, n. 4, 2015.

Endereço: https://revista.eefd.ufrj.br/EEFD/article/view/499

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.