Avaliação da Marcha em Indivíduos com Síndrome de Down

Por: Gustavo Henrique Schelle e Marinei Lopes Pedralli.

Brazilian Journal of Biomotricity - v.7 - n.1 - 2013

Send to Kindle


Resumo

Este estudo objetivou avaliar as variáveis lineares da marcha em indivíduos com Síndrome de Down (SD). Participaram da pesquisa nove sujeitos SD, com média de idade de 25,4±13,5. Para a coleta dos dados foi utilizado o método do papel carbono. Os dados foram analisados de forma quantitativa, através da estatística descritiva e o Coeficiente de Correlação de Spearman, tendo como intervalo de confiança 95%. O estudo apresentou média do comprimento do passo e passada de 46cm±6,8 e 92,9cm±13,7, respectivamente. A cadência da marcha apresentou valor de 1,9±0,19 passos/segundo. A velocidade média foi de 0,75±2,6m/s. A base de apoio apresentou-se em 8,6±2,9cm. Para angulação do pé, foi encontrada média de 4,9±8,1º. Observou-se uma correlação entre a variável idade com as variáveis massa corporal, estatura e IMC (r=0,847). Constatou-se que quanto maior for o comprimento do passo, maior será o comprimento da passada (r=0,991) e menor será o tempo e o número de passos efetuados (p=0,815). Além disso, os dados apresentados evidenciaram uma correlação entre o ângulo do pé e o número de passos (r=0,806), e ainda, constatou-se que a cadência da marcha e os números de passos exercem forte influência em relação ao tempo (r=0,816). Constatou-se que o padrão de marcha dos indivíduos com SD difere do padrão de marcha dos indivíduos sem SD, e que a combinação das características físicas dos indivíduos com SD condicionam uma marcha adaptada. Sugerem-se mais estudos sobre o tema abordado, a fim de criar parâmetros para futuras intervenções.

Endereço: http://www.brjb.com.br/index.php?id_pag=1009&chave=25

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.