Ba-vi: da Assistência à Torcida: a Metamorfose nas Páginas Esportivas

Por: Paulo Roberto Leandro.

167 páginas. 2011 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

Este estudo, de caráter qualitativo, discute a instituição da torcida de futebol nas páginas esportivas de jornais de Salvador, Bahia, Brasil, no período entre 1932 e 2011. O estudo constou de pesquisa bibliográfica e de campo, utilizando-se para a análise, uma coleção de 326 textos de cobertura de jogos entre Bahia e Vitória, confronto que ficou conhecido como “clássico Ba-Vi”. Os fragmentos de textos referentes à torcida de futebol e expressões correlatas foram analisados a partir das descrições observadas, e identificam, mediante o conceito de auto-imagem, a instituição de um perfil de torcedor, que corresponde à condição de replicante de um mesmo padrão. Os torcedores escolhem as cores que correspondem ao time, posicionam-se em um mesmo local e, por meio do consumo de indumentária e símbolos identificados a seu clube, sentem-se pertencentes à comunidade imaginada de seu clube formando uma só alma grupal. A torcida é identificada como este grupo capaz de alcançar uma sensação descrita como “delírio” pelos jornalistas e que corresponde a um êxtase da atitude de torcer coletivamente por um time de futebol. Esta instituição do perfil da torcida deu-se com a superação de um estágio inicial, chamado pelos jornais de “assistência” e que correspondia a uma plateia cordial, quieta e capaz de valorizar os princípios desportivos originais. Ao instituir-se como torcida, o grupo passa por uma metamorfose que corresponde a mutações também no estádio, no mercado, na imprensa, na arrecadação proveniente da venda de ingressos, na relação do torcedor com a arbitragem e na transformação do jogador em ídolo consagrado pelos torcedores. Esta metamorfose, contada pelo jornalista na condição de historiador do cotidiano, é também instituída pelo jornal, na medida em que o conteúdo das páginas esportivas é distribuído, nos dias seguintes aos jogos relatados, pelas empresas de comunicação, aos leitores que são também torcedores de futebol. Com base nos resultados da pesquisa, pode-se dizer que os jornais fazem parte da realidade que institui a torcida, no sentido de agentes transmissores de informações, valores e princípios de inegável influência para a formação do perfil do grupo. No limiar de mais uma mudança para um período provisoriamente designado de pós-torcida, sugere-se o aprofundamento, num estudo futuro, das questões relacionadas ao jornalismo esportivo e à torcida de futebol.

Ver Arquivo (PDF)

Tags: ,

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.