Bauman, Zygmunt (2007). Tempos Líquidos. Rio de Janeiro: Zahar

Por: , , Nathalia Gaspar Perestrello de Menezes e Rodrigo Portal Peixoto.

Revista Intercontinental de Gestão Desportiva - v.5 - n.1 - 2015

Send to Kindle


Resumo

Antes de iniciarmos nossas considerações a respeito da obra Zygmunt Bauman, verificamos a necessidade de uma aproximação que acreditamos ser relevante. A nosso ver, a expressão “Deriva” está para Sennett (1998), como “Incerteza” está para Bauman (2007). O mesmo pode ser percebido nos termos: “Flexível” de Sennett; “Líquido” de Bauman; “Risco” de Sennett; “Medo” de Bauman, em equivalência. Mesmo tendo o conhecimento de que a obra de Richard Sennett é antecessora a de Zygmunt Bauman, observamos certa semelhança entre os conceitos, as terminologias e como os autores visualizam o tempo e suas dimensões em meio à contemporaneidade.

Pode-se dizer que as obras se equivalem. Porém, diferentemente de Sennett, Bauman descortina seus pensamentos à luz das grandes metrópoles, de personagens reais e, extraordinariamente, nos apresenta números e informes alarmantes.  Nesse caso, “Tempos líquidos” é um livro que foi dividido em cinco capítulos, onde o sociólogo polonês deixa transparecer toda sua sensibilidade no momento em que inicia suas analogias entrando corajosamente no viveiro das incertezas.  “Entrando corajosamente no viveiro das incertezas” é a titulação introdutória da obra de Zygmunt Bauman, momento esse que pode ser considerado o compêndio do livro, o alicerce das reflexões, isto é, a justaposição de uma obra que tem a violência e a insegurança – generalizadas – como trama principal.

Endereço: http://www.revista.universo.edu.br/index.php?journal=gestaoesportiva&page=article&op=view&path%5B%5D=1648

Ver Arquivo (PDF)

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.