Brasil X Portugal: Uma Análise da Formação de Jovens Futebolistas

Por: A. F. Caregnato, C. L. Silva, F. R. Cavichiolli e T. P. Szeremeta.

IX Congresso Internacional de Educação Física e Motricidade Humana XV Simpósio Paulista de Educação Física

Send to Kindle


Resumo

O futebol é um dos esportes mais praticados a nível mundial. A formação de futebolistas se constitui como um processo de grande relevância tanto no âmbito social bem como no âmbito econômico, visto o impacto que atletas de alto nível trazem à sociedade. Assim, este estudo tem como objetivo investigar o processo de formação do atleta de futebol em dois clubes de diferentes países, sendo um deles português e outro brasileiro, ambos pertencentes a primeira divisão de seus respectivos países. Foram utilizados basicamente dois instrumentos: o diário de campo e a entrevista semiestruturada. O diário de campo foi confeccionado com base em técnicas de etnografia, observando tanto os treinos quanto os jogos e atividades sociais das categorias citadas logo abaixo. Na entrevista semiestruturada foram formuladas 12 questões e categorias correspondentes a cada um dos itens. Participaram da coleta de dados o coordenador do clube português e do clube brasileiro. As observações de campo tiveram como foco os pais dos atletas, profissionais ligados ao clube, agentes do ramo do futebol (somente no Brasil) e dos atletas das categorias sub 11 ao sub 20. A análise dos dados foi realizada através da análise de conteúdo. Os resultados indicam a existência de uma preocupação em uma formação com perspectiva multidisciplinar, indo além da dimensão técnica, a intenção é formar atletas inteligentes e polivalentes. Por outro lado, algumas diferenças significativas podem ser apontadas. A família , por exemplo, é a principal responsável pela saúde, relação pedagógica e formação do atleta no clube Português, o que inclui pagamento de mensalidades ao clube, enquanto no clube brasileiro estes aspectos são responsabilidade do clube, se assemelhando ao modelo profissional de futebol. Pode-se citar a diferença da relação do clube com os agentes, visto que no Brasil essa relação vem se aprofundando cada vez mais e em Portugal se encontra em fase embrionária. E ainda, a diferença no sistema educacional dos dois países. Assim, podemos indicar que esta pesquisa em clubes de diferentes continentes serviu para reafirmar que o discurso da formação global ou holística, está em evidência e justifica uma série de atitudes tomadas pelos coordenadores. Talvez em Portugal o discurso esteja mais ajustado quanto a isso, devido a política do Estado para educação.

Endereço: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/10060/10060

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.