Brinquedos de Baixa Tecnologia - Artefactos Efémeros de Brincar

Por: Carlos Aguiar, Conceição Lopes, Sérgio Lemos e Teresa Franqueira.

XV Conferência Mundial do IPA

Send to Kindle


Resumo

Nas sociedades ocidentais economicamente desenvolvidas, as orientações sociais sobre a ludicidade alicerçam-se excessivamente na utilização de brinquedos industrializados de fabrico tecnológico, e ecologicamente criticaveis. O seu desempenho, e contrariamente ao que a publicidade geralmente alude, pode bloquear o desenvolvimento do imaginário da infância. Estes brinquedos não articulam uma visão sustentável de possibilidades no contexto da busca de novos equilíbriosa na interacção humana com a natureza.
Materiais e métodos: A exploração das possibilidades lúdicas da criação de artefactos efémeros de brincar recorrendo a materiais de baixa tecnologia e a resíduos urbanos disponíveis disseminadamente no nosso habitat urbano, afigura-se como uma estratégia de grande potencialidade formativa do imaginário e das capacidades de manualidade e do engenho projectual.
Resultados: Apresentam-se vários exemplos realizados na licenciatura em Design da Universidade de Aveiro , que vão da reinterpretação de jogos tradicionais à criação de situações lúdicas referentes a estímulos culturais actuais. O desenvolvimento deste trabalho irá permitir numa segunda fase a interacção com grupos de crianças utentes no âmbito da licenciatura em Educação de Infância, e a criação de uma dinâmica de causa efeito com feed back dos resultados monitorizados nos processos de concepção, desenvolvimento e meterialização dos artefactos

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.