Bullying e Surdez nas Aulas de Educação Física Escolar: o Que Pensam os Atores Envolvidos

Por: Marily Oliveira Barbosa.

XVII Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte e IV Conice - CONBRACE

Send to Kindle


Resumo


Atualmente, a escola vem presenciando momentos de violência, que podem se espalhar entre os seus alunos e receber o nome de bullying. Especificamente, temos observado um aumento na freqüência com que este tema é tratado pelas mídias, assim como das discussões sobre os seus efeitos para as vítimas destes atos. Desta maior divulgação surgiu a inquietação para investigar o que pensam alunos, professores de Educação Física e gestores escolares sobre este fato, principalmente aqueles alunos que possuem alguma deficiência, em nosso caso com surdez. Para isto optamos em realizar um estudo de natureza qualitativa, sendo que os participantes foram dois professores de Educação Física da Educação de Jovens e Adultos, a diretora da escola e doze alunos com surdez. Os alunos com surdez entendiam que o bullying era constituído por apelidos pejorativos que os denegriam e por atos de agressão física entre colegas de sala. Tanto direção como professores possuíam conhecimento sobre o bullying e seus efeitos para a comunidade escolar. Em relação ao bullying e à Educação Física, os atores consideravam que a referida disciplina possuía características que, quando não bem administradas, podiam auxiliar no surgimento de casos de bullying.
 

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.