Calistenia Ao Longo da História

Por: Douglas Lopes, Emannuel Paiva, Lucas dos S. Ferreira e Matheus S. F. A. Lima.

XV Congresso de História do Esporte, Lazer e Educação Física - CHELEF

Send to Kindle


Resumo

O professor de ginastica suíço Clias (1829), com seu livro “Kallisthenie – Exercises for Beauty And Strenght”, ocasionou a distinção entre a ginastica, prática de atividades propostas pelas escolas europeias onde são inclusos exercícios com ou sem aparelhos, e a calistenia, pratica da atividade livre sem uso de aparelhos e com exercícios ritmados. Na segunda metade do século XIX foi instaurada a calistenia nos Estados Unidos, baseada na ginastica sueca e alemã, com algumas mudanças realizadas por Dio Lewis, Nills Posse e Dudley Allen Sartgent. Por não usar aparelhos complexos para a execução dos exercícios, deixando-a mais fácil de realizar, este tipo de atividade se difundiu. Christian Carl (1785), professor de ginastica da escola de Salzman, na Alemanha, incluiu esta prática na educação física, pois é um tipo de exercício que não precisa ser trabalhado ao ar livre, sendo uma opção para dias chuvosos. A prática de exercícios calistênicos melhoram a qualidade de vida e mantem o corpo forte e sadio, preservando de forma mais eficaz os trabalhadores (Willian Skarstrom). Para esclarecer alguns questionamentos referentes a calistenia e sua história, realizamos uma entrevista semiestruturada com Gabriel Massao Tanaka, um aluno formado pela Federação Internacional de Calistenia e Street Woukout (WSWCF), contendo dez perguntas gerais sobre a calistenia. De acordo com Tanaka, ela surgiu na Grécia sendo relacionada a busca do corpo perfeito, usada pelos romanos na preparação físicas dos soldados e na época da revolução industrial XIX, mantinha os corpos sadios. Surgiu como uma ginastica higienista, portanto, sua pratica tinha como objetivo melhoras posturais, fortalecimentos musculares e até melhoras psicológicas e emocionais. Em relação às perguntas sobre a pratica da calistenia nos dias de hoje, Tanaka afirmou que "se levar em consideração a existência de federações, confederações e até mesmo competições relacionadas à calistenia, atualmente ela é considerada um esporte". Assim como diversos esportes, esta pratica se molda de acordo com contexto em que se encontra, possuindo diferença de região para região. Devido ao incentivo em certos países europeus para essa pratica, é comum encontrar espaços públicos que favoreçam o desenvolvimento da mesma. Por ser uma modalidade como a musculação ou crossfit, de acordo com o mesmo, a calistenia pode trazer benefícios, e assim como outras práticas seus resultados variam de pessoa para pessoa. O diferencial é a possibilidade de se treinar em qualquer espaço com o mínimo de equipamentos ou apenas utilizando o peso corporal. Tanaka afirma que a calistenia pode sim ser substituta da musculação e do crossfit dependendo de seu objetivo. Concluímos que a calistenia e mais simples de realizar exercícios e mesmo que simples não deixa a desejar nos quesitos de hipertrofia e correções posturais, e que pela história da pratica ela tende a continuar evoluindo e se revolucionando.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.