Caminhando Como Modalidade Turística: Uma Oportunidade Competitiva Para o Brasil

Por: Adriana Fumi Chim-miki, Christina de Oliveira-matos, Pino Mediana-brito e Rosa María Batista-canino.

Podium Sport, Leisure And Tourism Review - v.6 - n.4 - 2017

Send to Kindle


Resumo

Este artigo apresenta a modalidade de caminhada como mercado emergente para o desenvolvimento do turismo no Brasil. A demanda turística internacional é estudada colocando-a diante da oportunidade de desenvolvimento do turismo de caminhadas como fonte de vantagem competitiva e de melhoria do fluxo turístico para o país. Trata-se de uma análise exploratório-descritiva baseada em aspectos da demanda turística internacional, considerando uma análise longitudinal do período entre 2005 e 2015 com base em dados secundários do Ministério do Turismo. Por outro lado, os dados primários foram coletados de uma comunidade internacional virtual de praticantes de trekking para verificar a real demanda por essa atividade no Brasil e o número de rotas de trilhas oferecidas neste site. Conclui-se que (i) o perfil do consumidor turístico internacional no Brasil é adequado para caminhadas; (ii) O Brasil ocupa o primeiro lugar no pilar de recursos naturais para o turismo, de acordo com o Índice de Competitividade de Viagens & Turismo (TTCI) do Fórum Econômico Mundial. Por isso, reúne condições favoráveis --

ABETA (2011). Associação Brasileira de Ecoturismo e Turismo de Aventura. Relatório de Impactos do Programa Aventura Segura e Ministério do Turismo.

Agüera, FO (2013). Condicionamento de áreas protegidas para o desenvolvimento de atividades de lazer e recreação. Desenvolvimento local sustentável, 18, 1-7.

Arabatzis, G. e Grigoroudis, E. (2010). Satisfação dos visitantes, percepções e análise de gap: O caso do Parque Nacional Dadia – Lefkimi – Souflion. Política Florestal e Economia, 12 (3), 163-172.

Arellano, A. (2004). Corpos, espíritos e incas: realizando Machu Picchu. In: Sheller, M. e Urry, J. (eds). Mobilidades de turismo: lugares para jogar, lugares no jogo, Londres: Routledge, 67-77.

Ars, MS (2013). Avaliação do comportamento pró-ambiental dos caminhantes no Parque Nacional de Triglav, Eslovênia. eco. Mont-Journal em Protected Mountain Areas Research, 5, 35-42.

Bafaluy, D., Amengual, A., Romero, R., e Homar, V. (2014). Recursos climáticos presentes e futuros para vários tipos de turismo na baía de Palma, Espanha. Mudança Ambiental Regional, 14 (5), 1995-2006. doi: 10.1007 / s10113-013-0450-6

Ballantyne, M., Gudes, O. e Pickering, CM (2014). As trilhas recreativas são uma causa importante de fragmentação em florestas urbanas ameaçadas: um estudo de caso da Austrália. Paisagem e Urbanismo, 130, 112-124.

Ballantyne, M. e Pickering, CM (2015). Os impactos da infraestrutura da trilha na vegetação e nos solos: literatura atual e direções futuras. Jornal de gestão ambiental, 164, 53-64.

Beeco, JA, Hallo, JC e Giumetti, GW (2013). A importância dos dados aninhados espaciais na compreensão da relação entre o uso do visitante e os impactos da paisagem. Applied Geography, 45, 147-157.

Blasco, MJV (1999). As áreas natural e rural: os novos cenários do turismo sustentável. Em Turismo em áreas naturais e rurais (pp. 13-34). Serviço de Publicações.

Boller, F., Hunziker, M., Conedera, M., Elsasser, H., & Krebs, P. (2010).

Remoteness fascinante: O dilema de caminhar o desenvolvimento do turismo em áreas montanhosas periféricas: Resultados de um estudo de caso no sul da Suíça. Mountain Research and Development, 30 (4), 320-331.

Burger, J. (1997). Recreação e risco: Exposição potencial. Jornal de toxicologia e saúde ambiental, 52 (3), 269-284.

Burger, J. (2001). Mordomia e uso futuro da terra em um site do Departamento de Energia: o interesse próprio determina as classificações ?. Jornal de Toxicologia e Saúde Ambiental Parte A, 63 (5), 383-394.

Carothers, P., Vaske, JJ e Donnelly, MP (2001). Valores sociais versus conflito interpessoal entre os caminhantes e ciclistas de montanha. Ciências do lazer, 23 (1), 47-61.

Cheung, LT e Fok, L. (2014). As motivações e atitudes ambientais dos visitantes com base na natureza para áreas protegidas em Hong Kong. Revista Internacional de Desenvolvimento Sustentável & World Ecology, 21 (1), 28-38.

Chhetri, P. e Arrowsmith, C. (2002). Desenvolver um modelo espacial de prováveis --

Endereço: http://www.podiumreview.org.br/ojs/index.php/rgesporte/article/view/217

Tags: ,

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.