Caracterização de Praticantes de Esportes Paralímpico e de Lazer Adaptados em Locais Públicos de Um Município do Interior de São Paulo

Por: Mateus Aparecido Stahl e Rute Estanislava Tolocka.

Kinesis - v.36 - n.2 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Este trabalho buscou identificar locais onde são praticados esportes paralímpico, conhecer quais esportes são praticados e observar as condições de acessibilidade. Foram visitados dois locais por região do Município e verificado que nenhum possui acessibilidade universal. Apenas um local oferece a prática de esporte paralímpico, a modalidade basquete sobre rodas, praticado por um grupo de oito indivíduos. Dados levantados na pesquisa mostram um potencial para prática do esporte, no entanto a falta de infraestrutura como acessibilidade, incentivos e investimentos, parece ser um fator limitante para a prática massiva do esporte paralímpico de base.

REFERÊNCIAS

ABEL, T.; SCHNEIDER, S.; PLATEN, P.; STRUDER, HK. Performance diagnostics in handbiking during competition. Spinal Cord. v. 44, n.4, p. 211-216, 2006.

ABEP – Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa. CCEB – critério de classificação econômica no Brasil. Disponível em: http://www.abep.org/novo/Content.aspx?ContentID=139. Acesso em 15 set 2012.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR 9050. Acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências a edificação, espaço mobiliário e equipamentos urbanos. Associação Brasileira de Normas Técnicas. Rio de janeiro: ABNT, 1994.

AZZINI, E P. Espaços e equipamentos públicos de lazer esportivo: acessibilidade da pessoa com deficiência – o caso de Piracicaba. 2013. 105f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade Metodista de Piracicaba.

BAILEY, S. Athlete first: A history of the Paralympic Movement. Oxford: Wiley-Blackwell, 2008.

BRASIL. Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência. Lei nº 7.853 de 24 de outubro de 1989. Brasília, DF: 1989. Disponível em: . Acesso em 04 ago. 2018.

______. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Lei nº 13146 de 06 de julho de 2015. Brasília, DF: 2015. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em 04 mai. 2018.

FURMANIUK, L.; CYWINSKA-WASILEWSKA, G.; KACZMAREK D. Influence of long-term wheelchair rugby training on the functional abilities in persons with tetraplegia over a two-year post-spinal cord injury. J Rehabil Med. v. 42, n. 7, p. 688-690, Jul, 2010.

HANSON, C.S.; NABAVI, D.; YUEN, H.K. The effect of sports on level of community integration as reported by persons with spinal cord injury. Am J Occup Ther. v. 55, n. 3, p. 332-338, May-Jun, 2001.

HARADA, C.M.; SIPERSTEIN, G.N. The sport experience of athletes with intellectual disabilities: A national survey of Special Olympics athletes and their families. Adapted Physical Activity Quarterly. v. 26, n. 1, p. 68-85, 2009.

HETTINGA, D.M.; ANDREWS, B.J. Oxygen consumption during functional electrical stimulation-assisted exercise in persons with spinal cord injury: implications for fitness and health. Sport Med. v. 38, n. 10, p. 825-838, 2008.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2000. Rio de Janeiro, 2000.

______. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, 2010.

______. Brasil em síntese: Cidades. Brasilia, 2015.

LAMÔNICA, D.A.C.; ARAUJO-FILHO, P.; SIMOMELLI, S.B.J.; CAETANO, V.L.S.B.; REGINA, M.R.R.; REGIANI, D.M. Acessibilidade em ambiente universitário: identificação de barreiras arquitetônicas no campus da USP de Bauru. Rev. Bras. Ed. Esp. v.14, n.2, p.177 – 188, maio/agosto, 2008.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de Pesquisa. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

MCVEIGH, S.A.; HITZIG, S.L.; CRAVEN, B.C. Influence of sport participation on community integration and quality of life: a comparison between sport participants and non-sport participants with spinal cord injury. J Spinal Cord Med. v. 32, n. 2, p. 115-124, 2009.

DE MELLO, M T.; WINCKLER, C. Esporte Paralimpico. São Paulo: Atheneu, 2012.

SERON, B.B.; ARRUDA, G.A.; GREGUOL, M. Facilitadores e barreiras percebidas para prática de atividades físicas por pessoas com deficiência motora. Rev Bras Ciênc Esporte. v.37, n.3, p.214-221, 2015.

SILVA, J.V.P.; et al. Acessibilidade às pessoas com deficiência física e visual no Parque esportivo Itanhangá. Motricidade. v. 8, n. 2, p. 249-258, 2012.

SILVA, M.C.R.; OLIVEIRA, R.J.; CONCEIÇÃO, M.I.G. Efeitos da natação sobre a independência funcional de pacientes com lesão medular. Rev Bras Med Esporte. v. 11, n. 4, p. 251-256, jul/ago, 2005.

TAGLIARI, C.; TRÊS, F.; OLIVEIRA, S.G. Análise da acessibilidade dos portadores de deficiências físicas nas escolas da rede publica de Passo Fundo-RS e o papel do Fisioterapeuta no ambiente escolar. Neurociências, v.14, n.1, Jan/mar, 2006.

TOLOCKA, R.E.; DE MARCO, A. Efeitos Fisiológicos de Exercícios Físicos em Pessoas com Lesão Medular. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. v. 4, n. 1, p. 63-68, 1996.

TOLOCKA, R.E.; FERREIRA, E.L.; RIED, B. Subsídios para competições oficiais de dança esportiva em cadeira de rodas. Campinas: CBDCR, 2003.

 

WINNICK, J. P. Adapted Physical Education and Sport. 5 ed. Champaig: Human Kinetis, 1990.

 

Endereço: https://periodicos.ufsm.br/kinesis/article/view/25100

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.