Caracterização do Cotidiano dos Idosos Participantes da III Olimpíada da Melhor Idade

Por: A. D. Chaves, L. I. A. Franco, M. M. Cintra, R. M. Ferreira, R. M. R. Simões e W. W. Moreira.

IX Congresso Internacional de Educação Física e Motricidade Humana XV Simpósio Paulista de Educação Física

Send to Kindle


Resumo

Os aspectos biopsicossociais adotados pelo ser humano ao longo dos anos são fundamentais para que o processo de senescência não atinja agressivamente a qualidade de vida da população idosa. Para que o processo de envelhecimento ocorra de maneira saudável faz necessário o idoso adotar bons hábitos no cotidiano relacionados com a atividade física, alimentação, entre outros. O objetivo deste trabalho foi caracterizar o cotidiano de idosos participantes da III Olímpiada da Melhor Idade. Participaram do estudo 63 idosos com idade média de 65,77 anos, sendo 14, % do sexo masculino e 85,7% feminino, participantes da III Olimpíada da Melhor Idade, realizada em Uberaba-MG. Foi utilizado um questionário para investigar o perfil e a caracterização do cotidiano. Para análise dos questionários, utilizou-se a estatística descritiva através de média e percentual. Os resultados encontrados demonstram que em relação ao grau de escolarização apenas 1,6% das mulheres e 7,94% dos homens possuem um curso de graduação, enquanto 3,18% das mulheres e 0% dos homens cursaram uma pós-graduação. Em relação à ocupação atual 63,5% estão aposentados, 31,7% possui trabalho não remunerado e 14,3% tem trabalho remunerado. A respeito das atividades do cotidiano, encontrou-se uma média de 6,74 horas de sono por dia, 4,36 refeições por dia e 1,84 relações sexuais por semana. Foram pontuadas algumas doenças autoreferidas, sendo 49,2% dos idosos citaram hipertensão, 23,8% diabetes, 11,1% artrose, 9,5% alguma doença do coração e 7,9% hipotireoidismo. Quando perguntou pelo uso de medicamentos 81,0% dos idosos responderam que utiliza. Sobre as dificuldades no cotidiano, 42,9% relatou ter algum tipo de dificuldade. Pode-se constatar a partir dos resultados expostos, que mais da metade dos idosos participantes da III Olimpíada da Melhor Idade são do sexo feminino e que a maioria deles é aposentado. O sono está abaixo do que é recomendado (8 horas), podendo estar relacionado ao baixo nível de atividade física e ao elevado uso de medicamentos. A alimentação também demostra estar fora dos padrões recomendados, o que pode acarretar desequilíbrio nos nutrientes necessários a saúde física. A relação sexual, considerada uma atividade física e também uma forma de compartilhar amor e prazer foi o percentual mais baixo, explicitando a existência quase nula na vida desses idosos. As doenças mais citadas foram às crônico-degenerativas, que poderiam ser evitadas ou minimizadas se estes idosos estivessem inseridos em um programa de exercícios físicos regulares. Podemos concluir que profissionais da área da saúde, principalmente da Educação Física, devem estimular mais programas e eventos com atividades físicas para a população idosa, com o objetivo de informa-los e incentiva-los a introduzirem no seu cotidiano a prática de uma atividade que promova um estilo de vida saudável, retardando o aparecimento de doenças crônicas degenerativas, estimulando o corpo e a mente, melhorando a qualidade de vida.

Endereço: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/10060/10060

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.