Ciências da Atividade Física Como Protagonista de Uma Agenda Multisetorial de Pesquisa e Advocacy na Promoção da Mobilidade Ativa

Por: Ricardo Brandao de Oliveira e Rodolfo Guimarães da Silva.

Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde - RBAFS - v.26 - n.1 - 2021

Send to Kindle


.Resumo

No epicentro da pandemia, as cidades enfrentam desafios econômicos e na saúde. Para lidar com a crise e reduzir os riscos de infecção nos transportes coletivos, o uso de transportes ativos passou a receber atenção de governos locais. Adotando como referencial o conceito de “Saúde em Todas as Políticas”, o presente ensaio teórico teve como objetivo discutir oportunidades causadas pela pandemia da COVID-19, considerando as relações entre o uso de transportes ativos e seus impactos sobre a prevenção de doenças crônicas não transmissíveis, a mobilidade urbana e o meio-ambiente. Dentro deste contexto, destacamos a importância de se mensurar as influências e externalidades da indústria automotiva, caracterizando-a como um ator a ser enfrentado nas políticas de promoção da saúde e mobilidade ativa. Neste sentido, acreditamos que as Ciências da Atividade Física podem exercer um protagonismo na formação de uma agenda multisetorial de pesquisa e advocacy, que objetivem reorientar os sistemas de transporte, de desenho urbano e de uso do solo.

Referências

UN. Policy Brief : COVID-19 in an Urban World. United Nations [Internet]. 2020;(July):1–30. Available from: https://www.un.org/sites/un2.un.org/files/sg_policy_brief_covid_urban_world_july_2020.pdf.

World Health Organization (WHO). Health in all policies (HiAP) framework for country action. Health Promot Int. 2014;29:i19–28.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2018 / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

UNICEF-ONU-UNESCO. Amesterdam declaration - making the link: Transport choices for our health, environment and prosperity. PEP | Transp Heal Environ | Pan-European Program. 2006;71(9):22–3.

WHO. Action Plan for the Global Strategy for the Prevention and Control of Noncommunicable Diseases 2008-2013. Geneva World Heal Organ [Internet]. 2008;35. Available from: http://bit.ly/WHO-DCNTs.

Mueller N, Rojas-Rueda D, Cole-Hunter T, De Nazelle A, Dons E, Gerike R, et al. Health impact assessment of active transportation: a systematic review. Prev Med (Baltim). 2015;76:103–14.

Kelly P, Kahlmeier S, Götschi T, Orsini N, Richards J, Roberts N, et al. Systematic review and meta-analysis of reduction in all-cause mortality from walking and cycling and shape of dose response relationship. Int J Behav Nutr Phys Act. 2014;11(1):132.

Mizdrak A, Blakely T, Cleghorn CL, Cobiac LJ. Potential of active transport to improve health, reduce healthcare costs, and reduce greenhouse gas emissions: A modelling study. PLoS One. 2019;14(7):e0219316.

Schapiro MG. O estado pastor e os incentivos tributários no setor automotivo. Brazilian J Polit Econ. 2017;37(2):437–55.

Douglas MJ, Watkins SJ, Gorman DR, Higgins M. Are cars the new tobacco? J Public Health (Bangkok). 2011;33(2):160–9.

Organization WH. Global health risks : mortality and burden of disease attributable to selected major risks. World Health Organization; 2009. p. vi, 62 p.

Stansfeld SA, Matheson MP. Noise pollution: non-auditory effects on health. Br Med Bull. 2003;68(1):243–57.

Ising H, Dienel D, Günther T, Markert B. Health effects of traffic noise. Int Arch Occup Environ Health. 1980;47(2):179–90.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022 / Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2011.

Haranaka IP, Soares MMSA, José SN. Tendência dos diferentes domínios da atividade física em adultos brasileiros: dados do Vigitel de 2006-2016. Cad. Saúde Pública. 2020; 36(8):1-12.

Aliança Bike. Brasil: setembro e outubro têm vendas de bicicletas 64% maiores em comparação ao mesmo período de 2019. [Citado em 23 nov 2020]. Disponível em: emhttps://aliancabike.org.br/vendas-outubro/

Bloomberg CityLab. Bogotá Is Building its Future Around Bikes. [Citado em 10 ago 2020]. Disponível em: https://www.bloomberg.com/news/articles/2020-08-10/to-tametraffic-bogot-bets-big-on-bike-lanes.

Endereço: https://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/14441

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.