Cinemática do Chute Semicircular no Karatê: Comparação Entre as Fase de Ataque e Retorno

Por: Ana Claudia Vieira Martins, George Roberts Piemontez, Luciana Ferreira, Nair Fritzen Reis e Sebastião Iberes Lopes Melo.

Revista da Educação Física - UEM - v.24 - n.1 - 2013

Send to Kindle


Resumo

Este estudo analisou as variáveis cinemáticas do chute semicircular no karatê caracterizadas e comparadas entre as fases de ataque e retorno. Participaram 20 atletas, masculinos, adultos, faixas pretas. Na aquisição dos dados foram utilizadas 06 câmeras Vicon MX-13, freqüência de 200Hz com tempo de aquisição de 04 segundos. Na caracterização das variáveis utilizou-se estatística descritiva e na comparação entre as fases o teste “t” de Student (p < 0,05). Resultados: as velocidades máximas e acelerações do tornozelo, joelho e quadril foram menores que os valores da literatura, implicando em menor velocidade de execução do chute pelos karatecas. As velocidades e acelerações do tornozelo, joelho e quadril da fase de ataque foram estatisticamente diferentes e superiores à fase de retorno do chute. Conclui-se, que a fase de ataque é mais rápida e ofensiva que a fase de retorno, sendo a variável tempo, importante na execução do chute semicircular.

Endereço: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/18190/11484

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.