Cinética de Consumo de Oxigênio no Dominio Severo: Comparação Entre Homens e Mulheres Saudáveis e Sedentários

Por: .

80 páginas. 2007 16/02/2007

Send to Kindle


.Resumo

O presente estudo teve como objetivo analisar e comparar a cinética de consumo de oxigênio entre gêneros em corrida no domínio severo
O presente estudo teve como objetivo analisar e comparar a cinética de consumo de oxigênio entre gêneros em corrida no domínio severo. Participaram do estudo nove homens e nove mulheres (25,2 ± 2,6 anos; 22,1 ± 1,8 anos e, 77,3 ± 12,3 kg; 58,6 ± 9,6 kg, respectivamente). Foi realizado teste incremental em esteira rolante para determinação da velocidade associada ao VO2max (vVO2max), e corrida até a exaustão (Tlim) na vVO2max para determinar a cinética do VO2. O VO2max (3,29 ± 0,62 vs 1,90 ± 0,39) (p≤0,0001), vVO2max (14,0 ± 2,0 vs 10,0 (3,0) km.h-1) (p<0,0108) e a amplitude (3,0 ± 0,7 vs 1,8 ± 0,4 L/min) (p<0,0003) (M±DP) foram significativamente maiores para os homens. Não foi detectada diferença estatística entre homens e mulheres para a constante tempo (τ) [35,8 (22,3) s vs 36,5 (6,6) s] (p<0,2973), Tlim [271,0 (118,0) vs 261,0 (73,0)] (p<0,6849), tempo para atingir o VO2max (TAVO2max) [142,3 (84,5) s vs 175,8 (24,6) s] (p<0,2973), %Tlim para TAVO2max [43,7 (24,4) vs 72,5 (17,7)] (p<0,1903); tempo mantido no VO2max (TMVO2max) [145,1 (72,5) s vs 64,2 (65,3) s] (p<0,1359), valores expressos pela mediana e amplitude interquartil. Concluímos que a resposta da cinética do VO2 é semelhante entre homens e mulheres jovens sedentários, apesar do maior valor de VO2max apresentado pelos homens. Palavras chave: Cinética VO2; Gênero; Domínio SeveroO presente estudo teve como objetivo analisar e comparar a cinética de consumo de oxigênio entre gêneros em corrida no domínio severo. Participaram do estudo nove homens e nove mulheres (25,2 ± 2,6 anos; 22,1 ± 1,8 anos e, 77,3 ± 12,3 kg; 58,6 ± 9,6 kg, respectivamente). Foi realizado teste incremental em esteira rolante para determinação da velocidade associada ao VO2max (vVO2max), e corrida até a exaustão (Tlim) na vVO2max para determinar a cinética do VO2. O VO2max (3,29 ± 0,62 vs 1,90 ± 0,39) (p≤0,0001), vVO2max (14,0 ± 2,0 vs 10,0 (3,0) km.h-1) (p<0,0108) e a amplitude (3,0 ± 0,7 vs 1,8 ± 0,4 L/min) (p<0,0003) (M±DP) foram significativamente maiores para os homens. Não foi detectada diferença estatística entre homens e mulheres para a constante tempo (τ) [35,8 (22,3) s vs 36,5 (6,6) s] (p<0,2973), Tlim [271,0 (118,0) vs 261,0 (73,0)] (p<0,6849), tempo para atingir o VO2max (TAVO2max) [142,3 (84,5) s vs 175,8 (24,6) s] (p<0,2973), %Tlim para TAVO2max [43,7 (24,4) vs 72,5 (17,7)] (p<0,1903); tempo mantido no VO2max (TMVO2max) [145,1 (72,5) s vs 64,2 (65,3) s] (p<0,1359), valores expressos pela mediana e amplitude interquartil. Concluímos que a resposta da cinética do VO2 é semelhante entre homens e mulheres jovens sedentários, apesar do maior valor de VO2max apresentado pelos homens

2007-03-16

O presente estudo teve como objetivo analisar e comparar a cinética de consumo de oxigênio entre gêneros em corrida no domínio severo. Participaram do estudo nove homens e nove mulheres (25,2 ± 2,6 anos; 22,1 ± 1,8 anos e, 77,3 ± 12,3 kg; 58,6 ± 9,6 kg, respectivamente). Foi realizado teste incremental em esteira rolante para determinação da velocidade associada ao VO2max (vVO2max), e corrida até a exaustão (Tlim) na vVO2max para determinar a cinética do VO2. O VO2max (3,29 ± 0,62 vs 1,90 ± 0,39) (p≤0,0001), vVO2max (14,0 ± 2,0 vs 10,0 (3,0) km.h-1) (p<0,0108) e a amplitude (3,0 ± 0,7 vs 1,8 ± 0,4 L/min) (p<0,0003) (M±DP) foram significativamente maiores para os homens. Não foi detectada diferença estatística entre homens e mulheres para a constante tempo (τ) [35,8 (22,3) s vs 36,5 (6,6) s] (p<0,2973), Tlim [271,0 (118,0) vs 261,0 (73,0)] (p<0,6849), tempo para atingir o VO2max (TAVO2max) [142,3 (84,5) s vs 175,8 (24,6) s] (p<0,2973), %Tlim para TAVO2max [43,7 (24,4) vs 72,5 (17,7)] (p<0,1903); tempo mantido no VO2max (TMVO2max) [145,1 (72,5) s vs 64,2 (65,3) s] (p<0,1359), valores expressos pela mediana e amplitude interquartil. Concluímos que a resposta da cinética do VO2 é semelhante entre homens e mulheres jovens sedentários, apesar do maior valor de VO2max apresentado pelos homens.

2007-03-16

Endereço: https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/1287?show=full

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.