Clubes de Imigrantes em São Paulo - SP

Por: , José Labriola C. Negreiros e Susan Gail Zieff.

Atlas do Esporte no Brasil.

Send to Kindle


Resumo

A cidade de São Paulo chega aos seus 450 anos, em 2004, celebrando a originalidade de sua população formada pelas inúmeras raças, credos, nacionalidades e hábitos culturais. Essa diversidade deu a São Paulo a riqueza que extrapola as portas de sua indústria e comércio para os registros históricos vivos nas ruas, museus, praças, edifícios, parques e clubes. Além das medidas governamentais do Brasil que incentivaram a imigração, como por exemplo, a Constituição de 1824 que assegurava a liberdade de credo religioso, a lei de 1831 que dificulta o tráfico negreiro e finalmente a de 1850 – lei Eusébio de Queirós que proíbe o tráfico de escravos, há ainda o forte atrativo da localização geográfica e física da cidade em questão. São Paulo poderia ser comparada à Mesopotâmia, região assim denominada por estar “entre rios” e habitada por diversos povos de línguas e culturas diferentes. A terra fértil significava ao mesmo tempo a geografia privilegiada para o escoamento das riquezas ali e no interior produzidas. O primeiro grande movimento imigratório europeu deu-se em 1850, com a aprovação da lei Eusébio de Queiroz – que efetivou o fim do tráfico negreiro para o Brasil e coincidia com a grave crise econômica na Europa. A proibição do mercado de negros trouxe importantes transformações para um país organizado em todas as esferas a partir da exploração do trabalho escravo compulsório. Isto apontava o caminho inevitável do fim da escravidão no Brasil e por discriminação racial, efetivou a substituição da mão de obra pelos imigrantes europeus. As atividades econômicas fundamentais dependiam do suprimento dessa mão-de-obra, inclusive a mais rendosa dessas atividades: a cafeicultura. Neste processo, o papel exercido pelos imigrantes europeus foi decisivo. Ao mesmo tempo em que as elites agrárias brasileiras necessitavam de mão-de-obra imigrante, foi o momento de uma série de tensões em território europeu, essencialmente por três razões: o avanço da ordem industrial, que gerava transformações no campo e na cidade; os processos de unificação da Alemanha e da Itália, ambos concretizados em 1870; e finalmente pela fome e miséria provocadas pela grande seca e as revoluções que marcaram o final de 1850 . Enfim, havia excessos populacionais em vários Estados europeus ao mesmo tempo em que várias regiões do Brasil careciam dessa força de trabalho, em especial, no poderoso setor cafeeiro.

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.