Comparação da Aptidão Física Relacionada à Saúde em Adolescentes de Anápolis - Go

Por: Cristina Gomes de Oliveira Teixeira, Denize Faria Terra, , Georgia Danila D'Oliveira, Lourenzo Brito, Luciana Oliveira e Patrícia Espíndola Mota Venâncio.

XI Congresso de Educação Física e Ciências do Desporto dos Países de Língua Portuguesa

Send to Kindle


Resumo

Introdução: Percentual de Gordura (%G), flexibilidade, Força e VO2MÁX fazem
parte da Aptidão Física Relacionada à Saúde (AFRS) proporcionando melhora na
qualidade de vida agregando características que possibilitam mais energia, aumento
da capacidade de executar atividades diárias diminuindo risco de desenvolver doenças
hipocinéticas. ObjetivO: Comparar os Parâmetros de AFRS entre os sexos. Métodos:
Foram selecionados 33 adolescentes de uma escola particular, sendo 17 indivíduos
do sexo masculino com idade média (13,21 ± 0,89 anos). Utilizaram-se os seguintes
testes:AAHPERD (1980): Sentar e Alcançar, Abdominal 1 minuto e %G (ÓTR+SB);
FITNESSGRAN (1992): Flexão de Braço; e SHUTLE RUN (1982): VO2MÁX.
Para comparar as diferenças entre os sexos de cada parâmetro da AFRS foi utilizado
o teste t independente. O nível de significância adotado foi de p=0,05. Resultados:
Foi comparado valor médio de cada variável: Resistência muscular (RM) para os
meninos (32,94±7,2) meninas (22,19±8,46) apresentou diferenças significativas
(p=0,001) concordando com a literatura, na qual, sexo masculino apresenta resultados
satisfatórios em relação às mulheres, fato comprovado quando correlacionado com
o %G, apresentando uma significante correlação inversa (r= -0,447). No que tange
o %G os homens (18,98±5,18) e mulheres (28,68±3,82) apresentaram diferenças
significantes (p=0,001) resultado este que pode ser explicado devido às meninas
apresentarem um %G mais elevado. Analisando o VO2MÁX dos homens
(32,81±4,23) e mulheres (27,83±3,06) foram encontradas significativas diferenças
(p=0,001), onde, os meninos apresentam melhor capacidade cardiorespiratória que
as meninas, podendo ser explicado devido o resultado da correlação entre o %G e
VO2MÁX no qual foi encontrada significativa correlação inversa (r= -0,549). Para
as variáveis IMC, Flexibilidade e Força muscular não foram encontradas diferenças
significativas entre o grupo, respectivamente (p= 0,875; p= 0,52 e p= 0,38). Conclusão:
A RM, o %G e o VO2MÁX apresentaram diferenças significativas, sendo os meninos
sobressalentes, fato que pode ter ocorrido devido o n amostral. O VO2MÁX
correlaciona-se inversamente com o %G, afirmando que quanto maior o %G menor
será o VO2MÁX e, o %G apresenta uma correlação inversa significativa com a
resistência muscular afetando diretamente o sexo feminino, visto que, apresentou
um %G maior que o masculino na faixa etária estudada.

Endereço: http://citrus.uspnet.usp.br/eef/uploads/arquivo/71_Anais_349.pdf

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.