Comparação Entre Duas Gerações Para Verificar as Mudanças Morfológicas em Atletas de Futsal em Um Período de 10 Anos

Por: Bruno Sérgio Portela, Danilo Fernandes da Silva, Marcos Roberto Queiroga, , Matheus Amarante do Nascimento, Sandra Aires Ferreira e Timothy Gustavo Cavazzotto.

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.21 - 2019

Send to Kindle


Resumo

O objetivo foi comparar duas gerações para verificar as mudanças morfológicas em atletas de futsal do sexo feminino. Idade, anos de jogo, medidas antropométricas, percentual de gordura corporal e somatótipo foram comparados entre atletas profissionais em 2001 (n = 112) e 2011 (n = 115). O grupo de 2011 revelou um tempo de prática significativo mais longo (9,0 ± 4,3 vs. 5,7 ± 3,5 anos; p <0,001), dobras cutâneas na coxa (26,1 ± 8,5 vs. 22,5 ± 6,7 mm; p <0,001), circunferência do antebraço tensionado (27,4 ± 2,1 vs. 26,7 ± 2,1 cm; p = 0,007), mesomorfia (4,1 vs. 3,3; p = 0,001) e dobra cutânea supra-espinhal inferior (14,0 ± 5,0 vs. 19,1 ± 7,4 mm; p <0,001), relação tronco / extremidade ( 0,8 ± 0,3 vs. 1,1 ± 0,1; p <0,001) e endomorfia (4,5 vs. 5,0; p = 0,009) do que as dos atletas de 2001. A comparação nas posições de jogo revelou que os goleiros de 2011 (9,5 ± 5,0 vs. 6,3 ± 3,4 anos; p = 0,027), asas (9,0 ± 4,3 vs. 5,4 ± 3,2 anos; p = 0,001) e fixo (8,4 ± 4,3 vs. 6,9 ± 4,5 anos; p = 0,001) praticaram mais tempo do que os atletas de 2001, enquanto o perfil somatotípico dos goleiros (4,6 ± 1,0 vs. 3,4 ± 1,1; p = 0,001), asas (3,9 ± 0,8 vs. 3,0 ± 0,9; p = 0,001), pivôs (3,8 ± 1,0 vs. 3,4 ± 1,0; p = 0,028) e fixas (4,3 ± 0,9 vs. 3,7 ± 1,0; p = 0,036) registraram maior taxa de mesomorfia que a dos atletas de 2001, respectivamente. Podemos concluir que o grupo de 2011 mostrou um aumento significativo no tempo de prática, associado a taxas mais altas de mesomorfia e endomorfia do que as experimentadas pelos atletas de 2001. 028) e fixo (4,3 ± 0,9 vs. 3,7 ± 1,0; p = 0,036) registraram uma taxa de mesomorfia maior que a dos atletas de 2001, respectivamente. Podemos concluir que o grupo de 2011 mostrou um aumento significativo no tempo de prática, associado a taxas mais altas de mesomorfia e endomorfia do que as experimentadas pelos atletas de 2001. 028) e fixo (4,3 ± 0,9 vs. 3,7 ± 1,0; p = 0,036) registraram uma taxa de mesomorfia maior que a dos atletas de 2001, respectivamente. Podemos concluir que o grupo de 2011 mostrou um aumento significativo no tempo de prática, associado a taxas mais altas de mesomorfia e endomorfia do que as experimentadas pelos atletas de 2001.

Confederação Brasileira de Futsal / CBFS. Disponível em: [2015, 17 de março].

Moore R, Radford J. O futsal está começando na Inglaterra? Um estudo de participação inicial do futsal. Am J Sports Sci Med 2014; 2 (3): 117-122.

Barbero-Alvarez JC, Soto VM, Barbero-Alvarez V, Granda-Vera J. Análise de fósforo e frequência cardíaca de jogadores de futsal durante a competição. J Sports Sci 2008; 26 (1): 63-73.

Queiroga MR, Ferreira SA, Pereira G, Kokubun E. Somatótipo e desempenho em jogadoras de futsal. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2008; 10 (1): 56-61.

Moore R, Bullough S, Goldsmith, S, Edmondson L. Uma revisão sistemática da literatura de futsal. Am J Sports Sci Med 2014; 2 (3): 108-116.

Slater GJ, Rice AJ, Mujika I, Hahn AG, Sharpe K, Jenkins DG. Características físicas de remadores leves e sua relação com o sucesso competitivo. Br J Sports Med 2005; 39 (10): 736-41.

Claessens AL, Lefevre J, Beunen G, Malina RM. A contribuição das características antropométricas para os escores de desempenho em ginastas de elite. J Sports Med Phys Fitness 1999; 39 (4): 355-60.

Claessens AL, Hlatky S, Lefevre J, Holdhaus H. O papel das características antropométricas no desempenho moderno do pentatlo em atletas do sexo feminino. J Sports Sci 1994; 12 (4): 391-401.

Cech P, Maly T, Mala L, Zahalka F. Composição corporal de jovens pentatletas de elite e suas diferenças de gênero. Sport Sci 2013; 6 (2): 29-35.

Marfell-Jones M, Olds T, Stewart A, Carter L. Padrões internacionais para avaliação antropométrica. Sydney: UNSW Press, 2006.

Jackson AS, Pollock ML, Ward A. Equações generalizadas para prever a densidade corporal das mulheres. Med Sci Sports Exerc 1980; 12 (3): 175-81.

Siri WE. Composição corporal a partir de espaços fluidos e densidade: análise de métodos. In: Brozek J, Henschel A. Técnicas para medir a composição corporal. Academia Nacional de Ciências, 223-224, 1961.

Carter JEL, Saúde BH. Somatotipagem: Desenvolvimento e Aplicações. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

Duquet W, Hebbelinck M. Aplicação da distância atitudinal do somatótipo ao estudo do status e das relações do grupo e do somatótipo individual. In: Eiben O (Eds). Crescimento e Desenvolvimento: Físico. Budapeste: Academia Húngara de Ciências, 377-384, 1977.

Espirito-Santo H, Daniel F. Calculando e relatando tamanhos de efeito em artigos científicos (1): p <0,05 limitações na análise das diferenças médias de dois grupos. Port J Behav Social Res 2015; 1 (1): 3-16.

Cohen J. Análise Estatística do Poder para as Ciências do Comportamento. 2a ed. Nova York: Psychology Press, 1988.

Carter JEL. O somatótipo antropométrico de Heath-Carter - manual de instruções, 2002: 26p. Disponível em: [2003, 25 de março].

Can F, Yilmaz I, Erden Z. Características morfológicas e variáveis ​​de desempenho de mulheres jogadoras de futebol. J Strength Cond Res 2004; 18 (3): 480-5.

Withers RT, Whittingham NO, Norton KI, Dutton M. Somatotipos de jogadoras de jogos do sul da Austrália. Hum Biol 1987; 59 (4): 575-84.

Adhikari A, Nugent J. Característica antropométrica, composição corporal e somatótipo de jogadoras de futebol canadenses. Am J Sports Sci Med 2014; 2 (61): 14-18.

Bayios IA, Bergeles NK, Apostolidis NG, Noutsos KS, Koskolou MD. Diferenças antropométricas, de composição corporal e somatotipistas das jogadoras femininas de basquete, voleibol e handebol da elite grega. J Sports Med Phys Fitness 2006; 46 (2): 271-80.

Kooshakia F, Nikbakhtb M, Habibi A. Relação entre perfil de composição corporal e habilidades básicas de futsal em jogadores de futsal de elite. Saúde, Segurança e Meio Ambiente 2014; 3 (4): 1-5.

Giusti ML, Ferreira GF, Morschbacher M, David GB, Xavier MO, Morales MSB, et al. Perfil antropométrico de equipes de futsal da Universidade Católica de Pelotas. Braz J Futsal Football 2012; 4 (11): 38-41.

Costa CSC, Palma A, Porto CPM, Pierucci AP. Perfil de jogadoras de futsal e alterações bioquímicas por meio de treinamento intermitente de alta intensidade. Food Nutri Sci 2012; 3: 110-116.

Davis JA, Brewer J. Características fisiológicas de um time internacional de futebol feminino. J Sports Sci 1992; 10 (2): 142-143.

Nikolaidis PT. Aptidão física em jogadoras de futebol por posição de jogo: foco no poder anaeróbico. Hum Mov 2014; 15 (2): 74-79.

Berdejo-del-Fresno D, Laupheimer MW. Comportamentos de recuperação e regeneração em jogadores de futsal de elite em inglês. Am J Sports Sci Med 2014; 2 (3): 77-82.

Benvenuti C, Minganti C, Condello G, Capranica L, Tessitore A. Avaliação da agilidade em futsal e futebol feminino. Medicina (Kaunas) 2010; 46 (6): 415-20.

Taveira LM, Ladeia HA, Barbosa GL, Souza PRC, Abreu CO, Fidelis AJM, et al. Alteração da regra de utilização da linha de goleiro ocorrida em janeiro de 2011: Implicações técnicas-táticas. Coleç Pesq Educ Fís 2013; 12 (4): 33-40.

Queiroga MR, Ferreira SA, Romanzini M. Perfil antropométrico de atletas de elite do futsal feminino de acordo com a função tática no jogo. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum 2005; 7 (1): 30-34.

 

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2019v21e56970

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.