Comportamentos Antiesportivos e de Fair Play: Análise do Comportamento Aplicada à ética Esportiva

Por: Amanda Oliveira de Morais.

87 páginas. 2014 28/08/2014

Send to Kindle


Resumo

O desenvolvimento de comportamentos morais na prática esportiva é um dos assuntos em alta na sociedade contemporânea e há uma necessidade urgente e desafiadora de investigações nessa área. Investigações têm sido feitas relacionadas principalmente ao fair play (jogo limpo). Alguns aspectos deste tema que merecem ser mais bem discutidos: o que seria o fair play sob a ótica do Behaviorismo Radical e dados empíricos sobre a ocorrência de comportamentos classificados como esportivos ou antiesportivos. Para estes fins foram realizados dois estudos apresentados em dois artigos. O objetivo do Artigo 1 foi analisar a ética esportiva sob a ótica do Behaviorismo Radical. Para isso, inicialmente apresentou-se o contexto esportivo e a ética esportiva para em seguida introduzir a descrição skinneriana de como fazemos julgamentos de valor e, por fim, aplicar essa análise ao contexto esportivo. O Artigo 1 permitiu descrever variáveis envolvidas nos comportamentos valorativos, e concluir que os comportamentos são valorados dependendo das consequências que produzem. O Artigo 2 teve como objetivo avaliar os comportamentos de treinadores e atletas de futsal das categorias Sub 9 e Sub 15, durante jogos, em relação aos comportamentos antiesportivos e de fair play e comparar os dados obtidos com a avaliação do comportamento dos treinadores e jogadores feita pelos árbitros das partidas. Participaram 6 treinadores, aproximadamente 60 atletas de 6 equipes das categorias Sub 15 e Sub 9 da modalidade futsal. Os dados foram coletados em 12 jogos da fase final de um campeonato da cidade de Londrina, sendo seis jogos de cada categoria. Verificou-se uma maior ocorrência de comportamentos de fair play entre os atletas da Sub 15 que os da Sub 9, a frequência de comportamentos antiesportivos foi baixa em ambas as categorias, sendo que na Sub 9 a gravidade desses comportamentos era menor. De modo geral, os treinadores de ambas as categorias eram indiferentes aos comportamentos antiesportivos e de fair play de seus atletas, sendo os comportamentos antiesportivos instrumentais dos atletas os mais frequentes em ambas as categorias. Observou-se, ainda, que os treinadores da Sub 15 se comportaram mais antiesportivamente que os treinadores da Sub 9. O Artigo 2 possibilitou realizar uma descrição exploratória de como os treinadores se comportam em relação aos comportamentos antiesportivos e de fair play e apresentar estratégias metodológicas que podem ser utilizadas na avaliação desse fenômeno. 

Endereço: http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000199462

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.