Concepções de Corpo Presentes na Ilíada e Odisseia

Por: e .

Materiales para la Historia Del Deporte - n.18 - 2019

Send to Kindle


Resumo

O presente artigo visa realizar uma análise das obras “Ilíada” e “Odisseia”. O objetivo principal foi o de identificar as diferentes concepções de corpo presentes nos escritos, bem como quais são os corpos mais valorizados e os mais estigmatizados. Foram identificados e analisados os seguintes corpos: guerreiro, velho, mulher, escravo, mendigo e do atleta. A título de conclusão o trabalho aponta que o corpo do guerreiro recebe um maior prestígio, posteriormente o corpo do atleta também toma um lugar de destaque, por gozar das mesmas qualidades do guerreiro, mas passa a ter a opção de realizar as tarefas apenas para medir suas habilidades e não pela simples sobrevivência nos campos de batalha.

Referências

Anest, M-C. Zoophilie, homosexualité, rites de passage et initiation masculine dans la Grèce Contemporaine. Paris: L’Harmattan, 1994.

Aubreton, R. Introdução a Homero. São Paulo: Difusão Europeia do livro, 1968.

Belfiore, J. C. Dictionnaire de mythologie grecque et romaine. Paris: Larousse, 2003.

Bittencourt, R. N. A conduta dos heróis na épica de Homero. Revista Espaço Acadêmico, 9 (103): 114-123, 2009.

Eliade, M. Mito y Realidad. Editorial Labor S.A, 1991.

Gabrecht, A. P.; Silva, G. V. Homero e o contexto de produção de Ilíada e Odisseia. Revista Ágora, 3(1): 1-27, 2006.

Grimal, P. La mythologie Grecque. Paris: Presses Universitaires de France, 2003.

Homero. Ilíada (em versos). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015a.

Homero. Odisseia (em versos). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015b.

Lallane, S. Une éducation grecque: rites de passage et construction des genres dans le roman grec ancien. Paris: La Découverte, 2006.

Oliveira, R. M. O mito de Helena em Homero: a abertura figurativa. Byzantion Nea Hellás, 27(1): 1-28, 2008.

Pereira, M. H. R. Estudos de Cultura Clássica. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.

Reale, G. Corpo, Alma e Saúde: O Conceito de Homem de Homero a Platão. São Paulo: Ed. Paulus, 2002.

Santos, L. C. T. A Atividade Física e a construção da corporeidade na Grécia Antiga. Revista da Educação Física/UEM, 8 (1), 73-77, 1997.

Sartre, M. Virilidades gregas. In: Corbin, A.; Courtine, J. J.; Vigarello, G. (Org.). História da virilidade 1: a invenção da virilidade – da Antiguidade às Luzes. Rio de Janeiro: Vozes, 2013 p.17-70.

Schüler, D. Literatura Grega. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1985.

Vernant, J-P. El individuo, la muerte y el amor en la Antigua Grecia. Barcelona: Paidós, 2001.

Viegas, A. S. A performance do belo corpo de Odisseu se mostra: De Proscrito a Príncipe. Principia, v. 1, n. 24, p. 27-34, 2012.

Vigarello, G. Introdução. In: Corbin, A.; Courtine, J. J.; Vigarello, G. (Org.). História da virilidade 1: a invenção da virilidade – da Antiguidade às Luzes. Rio de Janeiro: Vozes, 2013. p. 11-16.

Wormam. N. The Body as Argument: Helen in Four Greek Texts. In: Classical Antiquity, vol. 16, nº 1. Berkeley, University of California Press, 1997. p. 151-203.

Endereço: https://www.upo.es/revistas/index.php/materiales_historia_deporte/article/view/3016

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.