Consequências e Tentativas de Democratização da Educação Física na França Entre 1945 e 1981

Por: Carmem Lúcia Soares, Jean Saint Martin e Michaël Atalli.

Revista Brasileira de Ciências do Esporte - v.28 - n.2 - 2007

Send to Kindle


Resumo

Entre 1945 e 1981 os governos franceses que se sucedem põem em prática múltiplas soluções que vão permitir a difusão do ensino de educação física em seu sistema educativo. Ante o crescimento contínuo do número de estudantes, os ministros da Educação Nacional, da Juventude e do Esporte não podem assegurar os horários obrigatórios, conforme mostram os números da relação nacional entre alunos e professores. Constata-se que a obrigatoriedade de 5 horas semanais de educação física foi um engodo, tendo sido mesmo suprimidas em muitos estabelecimentos. Constata-se também que os anos de 1960 revelam uma situação de contraste, levando à concessões as urgências colocadas. Porém a democratização quantitativa equitável não se produzirá senão a partir dos anos de 1970, por meio de medidas drásticas que repousam tanto sobre necessidades econômicas quanto escolhas educativas. É essa democratização que fará surgir os limites de uma gestão administrativa do ensino, da qual não se pode excluir as dimensões qualitativas.

Endereço: http://www.rbceonline.org.br/revista/index.php/RBCE/article/view/49

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.