Consumo de Oxigênio de Pico em Mulheres Mais Velhas: Comparação Entre os Valores Medidos e Preditos

Por: , Martim Bottaro, , Ricardo Moreno Lima, Rodrigo Luiz Carregaro, Sérgio Rodrigues Moreira e .

Motriz - v.19 - n.2 - 2013

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo foi comparar o consumo máximo de oxigênio ( VO2max ), medido através de testes de estresse e os obtidos por equações de predição . Um total de 116 mulheres idosas (idade média de 66,7 ± 5,8 anos ) foram submetidos a um teste ergoespirométrico em esteira ( protocolo de rampa ) . Além disso, os valores de VO2pico foram estimados pelo American College of Sports Medicine (ACSM ) e equações Foster . Os valores medidos e estimados foram comparados utilizando-se medidas repetidas ANOVA . Correlação entre os métodos foi analisada pelo coeficiente de Pearson e acordo com Bland e Altman . Ambos ACSM e equações Foster superestimou medido VO2pico (p <0,001 , média de 6,9 ​​e 2,7 ml.kg -1.min-1 , respectivamente). A equação ACSM gerado valores maiores do que a equação de Foster. Observou-se correlação positiva e significativa entre os valores medidos e estimados ( r = 0,70 , p < 0,01) , enquanto que a idade foi negativamente correlacionada com VO2pico medido (r = -0,31 , p = 0,001). Os resultados mostram que para os idosos , as equações comumente usado VO2pico superestimativa medida pelo teste de esforço cardiopulmonar , apontando para advertir durante a classificação da aptidão cardiorrespiratória 

Endereço: http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/5145

Tags: Nenhuma cadastrada :(

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.