Coordenação do Nado Borboleta: Estudo Piloto Sobre os Efeitos da Velocidade de Nado e das Ações Inspiratórias

Por: Carlos Bolli Mota, Felipe Collares More, Flávio Antônio de Souza Castro e Ricardo Peterson Silveira.

Revista Brasileira de Ciências do Esporte - v.34 - n.2 - 2012

Send to Kindle


Resumo

A proposta deste estudo piloto foi verificar os efeitos da velocidade de nado e dos ciclos inspiratórios sobre os parâmetros coordenativos do nado borboleta. Participaram quatro nadadores de nível regional, com desempenho médio de 69 ± 3,6% do recorde mundial na prova de 100 m borboleta em piscina de 25 m. Em resposta ao incremento da velocidade de nado, entre os principais resultados, destaca-se: redução da duração absoluta dos ciclos (de 2,01 ± 0,43 s para 1,07 ± 0,09 s, entre velocidade relativa aos 200 m e velocidade máxima em 25 m, com inspiração frontal e similar comportamento para ciclos não inspiratórios); marcado aumento na duração das fases propulsivas da braçada, expressas em % da duração média de quatro ciclos de braçada (fase B de 14,6 ± 3,2% para 22,8 ± 4,7% e fase C de 12,9 ± 1,0 para 19,1 ± 0,9% com inspiração frontal e similar comportamento para ciclos não inspiratórios), bem como maior sincronismo entre as ações da braçada e da pernada.

Endereço: http://rbceonline.org.br/revista/index.php/RBCE/article/view/626

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.