Corpo, Domínio de Si, Educação: Sobre a Pedagogia das Lutas Corporais

Por: Fabiana Cristina Turelli.

127 páginas. 2008 11/04/2008

Send to Kindle


Resumo

As artes marciais podem ser descritas como um conjunto de ações que compreende técnicas de luta que requerem incansável treinamento para sua incorporação e, ao mesmo tempo, são também o caminho do guerreiro, composto por atitudes específicas, dentre as quais a mais elevada consiste em vencer a si mesmo. O esporte é um elemento fundamental do processo civilizador, um conjunto de dispositivos pedagógicos que organiza o corpo e suas expressões no sentido de simultaneamente restringi-los em sua espontaneidade e potencializá-los tecnicamente. As lutas tornam-se parte importante desse campo. Para que isso possa ocorrer, algumas delas sofrem um processo de esportivização, o que reflete em sua organização em treinamentos sistematizados e competições. O presente trabalho buscou entender os processos que legitimam uma pedagogia da dor e do sofrimento como racional e legítima e quais são suas implicações para a educação do corpo em três lutas. Para isso foi realizada uma pesquisa empírica tendo por objeto o Karatê (campo marcial-esportivo), o I Ai Do e o Nei Kung (campo marcial-filosófico), em dois espaços de treinamento de artes marciais de Florianópolis, SC. Os dados foram coletados por meio de observações de aulas e competição, observações-participantes de treinamentos e exame de faixa, e de entrevistas. As artes marciais pesquisadas e seus espaços, lugares de crenças e rituais que oferecem representações sobre o corpo que nem sempre coincidem com outras tradições, são apresentados em paralelo, seguidos por algo como uma ciência marcial, que busca dar suporte teórico às práticas físicas. O material empírico resultante pôde ser distribuído em categorias como domínio de si - movimento necessário e irrenunciável para o processo civilizador -, dor e sofrimento como fortalecedores do corpo, uma vez que os atores dos campos narram, significam e representam as dores, os sofrimentos e os sacrifícios das práticas como legítimos, honoráveis, momentos de engrandecimento que justificam as ações contra o próprio corpo, e, por fim, rituais e trotes como possuidores de forte carga simbólica, que parecem alimentar, fazer viver e transmitir as rotinas dos espaços de treinamento.

Endereço: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/90995

Ver Arquivo (PDF)

Tags: ,

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.