Corpos Elegíveis, Corpos Soberanos: Sobre a Regulação das Variações Intersexuais no Esporte de Alto Rendimento

Por: Barbara Gomes Pires.

31ª Reunião Brasileira de Antropologia

Send to Kindle


Resumo

A experiência da intersexualidade tem muitas facetas. Ainda que grande parte das histórias que temos acesso evidencie a primazia do ambiente hospitalar como central para o debate contemporâneo sobre integridade corporal e autonomia em relação aos corpos e às vidas de pessoas intersexuais, outras dinâmicas sociais também promovem algum tipo de regulação dos sujeitos que destoam dos ideais sexuais e das normas generificadas. Neste registro, o esporte aparece como espaço privilegiado de classificação e de regulação das pessoas com características sexuais atípicas, ou mesmo de pessoas que não sustentam às expectativas sociais de como homens e mulheres devem existir. Essas regulações generificadas, marcadas por representações morais do que constitui o corpo sexuado e o corpo social, organizam a elegibilidade esportiva através da debilitação do corpo intersexual. No fim, conformam as corporalidades atípicas aos ideais de soberania do corpo político hegemônico: onde o excesso no corpo feminino é costumeiramente mutilado.
 

Endereço: http://www.evento.abant.org.br/rba/31RBA/T-158

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.