Corpos no Limite e Risco à Saúde na Musculação: Etnografia Sobre Dores Agudas e Crônicas

Por: e Jaqueline Ferreira.

Interface - Comunicação, Saúde, Educação - v.21 - n.60 - 2017

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo foi discutir como a dor aguda e crônica pode ser concebida pelos alunos e professores de Educação Física na musculação. Esta pesquisa utilizou a etnografia em dois estabelecimentos de bairros cariocas socioeconomicamente distintos: 12 meses em uma academia de pequeno porte em um bairro popular e dez meses em uma academia de grande porte em um bairro nobre do Rio de Janeiro, Brasil. Foi possível apreender que os marcadores de gênero e de classe social influenciaram como determinados alunos compreendiam os “limites” do corpo relativo às dores e seus riscos. A intervenção do professor face a este sintoma e ao risco, embora marcada pelo referencial biomédico, era influenciada pelo contexto em que a academia estava engendrada. Tais dados indicam a importância de investigações etnográficas sobre corpo e saúde-doença em contextos alheios aos serviços de saúde tradicionais.

REFERÊNCIAS

1. Zborowski M. Cultural components in responses to pain. J Soc Issues. 1952; 8(4):16-30. [ Links ]

2. Zola IK. Culture and symptoms: an analysis of patients presenting complaints. Am Sociol Rev. 1966; 31(5):615-30. [ Links ]

3. Saillant F, Genest S, organizadores. Antropologia médica: ancoragens locais, desafios globais. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2012. [ Links ]

4. Helman CG. Cultura, saúde e doença. 2a ed. Porto Alegre: Artes Médicas; 1994. [ Links ]

5. Sarti C. A dor, o indivíduo e a cultura. Saude Soc. 2001; 10(1):3-13. [ Links ]

6. Peacock S, Patel S. Cultural influences on pain. Br J Pain. 2008; 1(2):6-9. [ Links ]

7. Le Breton D. Antropología del dolor. Barcelona: Seix Barral; 1999. [ Links ]

8. Hansen R, Vaz AF. Treino, culto e embelezamento do corpo: um estudo em academias de ginástica e musculação. Rev Bras Cienc Esporte. 2004; 26(1):135-52. [ Links ]

9. Sabino C. O peso da forma: cotidiano e uso de drogas entre fisiculturistas. Rio de Janeiro [tese]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2004. [ Links ]

10. Torri G, Bassani JJ, Vaz AF. Dor e tecnificação no contemporâneo culto ao corpo. Pensar Prat. 2007; 10(2):261-73. [ Links ]

11. Silva AC. “Limites” corporais e risco à saúde na musculação: etnografia comparativa entre duas academias de ginástica cariocas [tese]. Rio de Janeiro (RJ):Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2014. [ Links ]

12. Becker H. A escola de Chicago. Mana. 1996; 2(2):177-88. [ Links ]

13. Goffman E. A representação do eu na vida cotidiana. 10a ed. Petrópolis: Vozes; 2002. [ Links ]

14. Goffman E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4a ed. Rio de Janeiro: LTC; 2008. [ Links ]

15. Goffman E. Ritual de interação: ensaios sobre o comportamento face a face. Petrópolis: Vozes; 2011. [ Links ]

16. Bourdieu P. Sociologia. São Paulo: Ática; 1983. [ Links ]

17. Boltanski L. As classes sociais e o corpo. 2a ed. Rio de Janeiro: Graal; 1984. [ Links ]

18. Lima DNO. Ethos “emergente”: as pessoas, as palavras e as coisas. Horiz Antropol. 2007; 13(28):175-202. [ Links ]

19. Lima DNO. Ethos emergente: notas etnográficas sobre o “sucesso”. Rev Bras Cienc Soc. 2007; 22(65):73-83. [ Links ]

20. Bourdieu P, organizador. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero; 1983. p. 136-63. [ Links ]

21. Bourdieu P. A economia das trocas lingüísticas. In: Ortiz R, organizador. Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática; 1983. p. 156-83. [ Links ]

22. Becker H. Segredos e truques da pesquisa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 2007. [ Links ]

23. Caprara A, Landim LP. Etnografia: uso, potencialidades e limites na pesquisa em saúde. Interface (Botucatu). 2008; 12(25):363-76. [ Links ]

Endereço: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1414-32832017000100141&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Tags: ,

Comentários


:-)





© 1996-2021 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.