Cultura Corporal e Formação Humana: Um Estudo Histórico no Curso de Graduação em Educação Física da Ufba

Por: Rafael Bastos Costa de Oliveira.

58 Reunião Anual da SBPC

Send to Kindle


INTRODUÇÃO:

O presente estudo visa investigar o processo de reformulação curricular dos cursos de graduação em Educação Física na Bahia, especificamente o da Universidade Federal da Bahia, situando o "Estado da Arte" do trato da cultura corporal, nesta instituição de ensino superior na Bahia. Esta pesquisa se justifica por compreendermos a partir da análise histórica, a consolidação do processo de formação humana e de produção interdisciplinar do conhecimento nos Cursos de Educação Física. Nesta perspectiva, o currículo é considerado como um campo de lutas ideológicas expresso nas diferentes teorias do conhecimento. O embate travado no processo de reformulação curricular, nesta instituição, explicita diferentes concepções de formação acadêmica - destinada a instrumentalizar para o mercado de trabalho ou formar numa perspectiva humana emancipatória. Esta pesquisa histórica do tempo presente busca igualmente as bases de criação do curso de Educação Física da UFBA, já que em estudo anterior verificou-se uma diferenciação em relação aos demais no Brasil, pois este se situa na área de ciências humanas, compreendendo-a como educação, além de optar pela cultura corporal como seu objeto de estudo, desde 1999. Cabe ressaltar a importância de se fazer presente nesta reformulação o resgate crítico da produção teórica do conhecimento já produzido - sistematizado e não sistematizado (cultura popular), além da produção de novos conhecimentos numa perspectiva interdisciplinar.


METODOLOGIA:

Tratando-se de uma pesquisa histórica, utilizamos fontes orais e documentais obtidas, principalmente no Arquivo Histórico da Faculdade de Educação da UFBA, nos documentos do Colegiado e do Departamento do Curso de Educação Física e do arquivo da LEPEL; além de depoimentos e entrevistas com pessoas que fizeram e/ ou fazem parte desta história. Lançamos mão da história oral temática por considerar que ela oportuniza a constituição e fundamentação desta área do conhecimento como acervo histórico da humanidade, traço de identidade e expressão da cultura brasileira - seu patrimônio histórico. Fizemos também um levantamento da legislação, a partir da Constituição Federal, da LDB e do CNE, além das proposições curriculares apresentadas nas reuniões de reformulação, buscando apreender os conflitos, o trabalho, as sistematizações e as mudanças desta história temática. Utilizamos o materialismo histórico dialético como método de investigação científica, por considerarmos que ele possibilita a análise crítica e a perspectiva de compreensão da realidade como totalidade. A investigação caminhou no sentido de constatar e considerar o direito à diferença, através da indagação teórica sobre as perspectivas de formação presentes nos projetos apresentados e a sua vinculação com o projeto de formação humana, de educação e de sociedade, no sentido de realizá-los como projeto teórico e prático propositivo e superador.


 RESULTADOS:

• Compreensão da consolidação do processo de formação humana, a partir da análise histórica e crítica
• Rastreamento e tratamento catalográfico das fontes orais e documentais
• Registro de pessoas que ajudaram a produzir a história da constituição do curso de educação física da UFBA como campo acadêmico/ científico podendo aprofundar o estudo em outras pesquisas
• Constatação da escassez de fontes escritas (documentos e registros) deste registro histórico e Pouca consideração dos currículos anteriores à produção cultural brasileira, especialmente da cultura popular; da cultura indígena e afro-brasileira
• Predominância curricular da cultura européia/ norte-americana, especialmente da temática ginástica e esporte
• Constatação em uma das proposições da reformulação curricular na UFBA de disciplinas sobre culturas historicamente marginalizadas - da cultura popular - com fortes traços identidários e que, hegemonicamente são desconsiderados nos currículos (Capoeira, Jogos Populares e Tradicionais, danças regionais e especificidades que formam nossa riqueza cultural), bem como de proposições que apontem para a interdisciplinaridade
• Consideração da disciplina História da cultura corporal, esporte e lazer nas propostas apresentadas
• Acúmulo de dados para a criação do centro de memória da Educação Física no Nordeste brasileiro, através de um dossiê sobre a reformulação curricular de Educação Física da UFBA.


 CONCLUSÕES:

Podemos concluir que existe um confronto de teorias sobre a formação acadêmica do curso de Educação Física na UFBA, retratando a concepção de projeto histórico e educação: uma pautada na visão biológica e esportiva, dicotomia entre teoria e prática, dispersão no trato com o conhecimento científico (área da saúde) hegemonicante tratado pela área; e outra pautada na manifestação da cultura corporal, esportiva e de lazer, além dos elementos culturais populares, a exemplo a Capoeira e Samba de Roda, historicamente desconsiderados pela academia. Pela escassez de dados destes elementos culturais, constatamos a necessidade de se empreender estudos científicos/ pedagógicos a respeito deste acervo historicamente marginalizado e desconsiderado pela ciência e educação. Em contrapartida a esta carência é possível detectar, em uma das proposições apresentadas, um tratamento histórico e acadêmico a este conhecimento cultural. Importa, igualmente ampliar a pesquisa histórica em relação a estas manifestações na Bahia de forma a contribuir com o patrimônio cultural e acadêmico, com futuras fontes de pesquisa e abertura de programas de Pós-graduação em Educação Física no Nordeste do Brasil, como também inserir estes conteúdos nos currículos, tratando-os de forma interdisciplinar. Esta consideração reforça uma modificação progressiva da concepção de Educação Física como prática social e parte dos conhecimentos indispensáveis para se entender a sociedade como totalidade.

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.