Cultura de Gênero das Modalidades de Ginástica de Academia do Brasil

Por: Alex Carneiro Brandão, Amanda Alves da Silva Silva, Fernando Luis Cardoso, e Nilton Soares Formiga.

Revista Brasileira de Psicologia do Esporte - v.8 - n.1 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Toda sociedade humana define arbitrariamente valores de masculinidade, feminilidade ou neutralidade para o comportamento e funções sociais, dentre eles as práticas corporais. Este estudo objetivou-se investigar a cultura de gênero das modalidades de academia de Ginástica. Para tanto foram avaliados 201 estudantes dos cursos de Bacharelado e Licenciatura do curso de Educação Física de uma Universidade Particular do Distrito Federal (Brasília). Destes 64,2% eram do sexo masculino com média de idade de 23,78 ± 5,39. Para análise das modalidades foi construído um instrumento avaliado pela escala de Likert de cinco pontos que variou de muito masculino até muito feminino. Os resultados permitiram verificar a presença de vinte e duas modalidades neutras, cinco masculinas e treze femininas. As modalidades tidas como masculinas correspondem a modalidades com características de luta, combate, agressividade, culturalmente atribuídos a masculinidade. As modalidades avaliadas culturalmente femininas encontram-se relacionadas a coordenação, agilidade, suavidade, flexibilidade e sensualidade confirmando que há também a presença de uma percepção de gênero nas modalidades de academia. Conclui-se que as modalidades de academia são consideradas como neutras em relação ao gênero culturalmente atribuído e que só são avaliadas como – masculina ou feminina – aquelas que ainda possuem fortes traços desses perfis.

Endereço: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBPE/article/view/9963

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.