Currículo de Licenciatura em Educação Física e Políticas Educacionais de Gênero e de Diversidade Sexual: Articulações (im)possíveis

Por: Luciene Neves Santos.

161 páginas. 2014 00/00/0000

Send to Kindle


Resumo

Nesta tese, analiso os modos pelos quais o currículo do curso de licenciatura em Educação Física da Universidade do Estado de Mato Grosso se articula com políticas educacionais contemporâneas de gênero e de diversidade sexual. Para esse fim, mobilizei os campos teóricos e metodológicos dos estudos culturais, de gênero e sexualidade na perspectiva pós-estruturalista, procurando compreender e tensionar os modos de produção desse currículo, especificamente durante os estágios supervisionados em ensino médio, os quais acontecem no último semestre do referido curso. Para produzir o corpus desta pesquisa, utilizei dois procedimentos metodológicos diferentes: o exame de documentos do curso, tais como projeto político pedagógico, planos de ensino e relatórios de estágio do ano letivo 2011, e a realização de entrevistas com 12 (doze) professoras/es que se formaram nessas turmas de 2011. As análises, realizadas na perspectiva da análise cultural, permitem assinalar que os modos de vinculação desse currículo de formação de professoras/es de Educação Física com as proposições dos textos de políticas educacionais de diversidade sexual e de gênero não acontecem de forma tão direta, mas por meio de orientações das atuais políticas educacionais brasileiras, entre as quais destaco os processos de inclusão que se dirigem a um amplo conjunto de grupos sociais, entre eles a população LGBT e mulheres. Ao mesmo tempo, alguns discursos da Educação Física tradicional produzem um ‘silenciamento’ acerca das múltiplas possibilidades de se viverem sexualidades e gênero. Assim, durante os estágios argumentos como os de que não se deve separar as/os estudantes, de que não se pode discriminar, de que se deve incluir coexistem com outros que afirmam que não é bom juntar as/os estudantes por conta de diferenças de habilidade e força e/ou por conta dos riscos decorrentes da sexualidade 'descontrolada’, podendo ser tomados, pois, como efeitos de práticas discursivas, as quais constituem e são constituídas por discursos de diversidade e diferença, sendo que em tais discursos se articulam às noções de respeito que constituem as políticas de inclusão e de diversidade.

Endereço: http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/107986

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.