Dança Dionisíaca? Estilos Nacionais no Futebol Sul-americano

Por: Hans Ulrich Gumbrecht.

Projeto História. Revista do Programa de Estudos Pós-graduados em História - n.49 - 2014

Send to Kindle


Resumo

Quando por muito tempo foi tida como certa (provavelmente desde os anos 1920 ou 1930) que os diferentes "estilos" de jogar futebol (ou outros esportes de equipe ) são a "expressão " de essências nacionais individuais, existem vários exemplos e razões que mostram que essa suposição não tem mérito e não pode ser consolidada. Por outro lado, qual a melhor teoria ou conceito disponível para explicar a existência inegável de tais continuidades nacionais nos estilos de esportes coletivos? Focalizando os casos de Argentina/ Uruguai, Brasil e Chile, este ensaio sugere que “considerações históricas” específicas são necessárias para cada caso individual. As continuidades estilísticas nos esportes de equipe muitas vezes têm sua origem a partir de invenções individuais de um estilo de jogo e primeiros sucessos. A possível convergência entre tal sucesso esportivo e momentos importantes dentro das histórias nacionais é uma segunda associação. Em terceiro lugar, que ajuda (mas não é necessário), é que tais "estilos nacionais" podem ser "entendidos" e "lidos" como alegorias de uma essência nacional (apesar de tais alegorias não terem mérito factual).


 

Palavras-chave


Futebol, Brasil, America do sul, performance, Estilo e Alegoria.

Endereço: http://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/20210

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.