Dano Muscular: Resposta Inflamatória Sistêmica Após Ações Excêntricas Máximas

Por: Claudia Regina Cavaglieri, Cleiton Augusto Libardi, Felipe Romano Damas Nogueira, Mara Patrícia Traína Chacon-Mikahil, Miguel Soares Conceição, Ricardo Paes de Barros Berton, Valéria Bonganha e Vera Aparecida Madruga Forti.

Revista Brasileira de Educação Física e Esporte - v.26 - n.3 - 2012

Send to Kindle


Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar a resposta inflamatória induzida por grande número de ações excêntricas (AE) máximas realizadas pelos flexores do cotovelo. Participaram do estudo nove homens jovens, que realizaram 35 séries de seis AE nos flexores de cotovelo, com intervalo de um minuto, utilizando um dinamômetro isocinético em uma velocidade de 210º.s-1. As variáveis mensuradas foram: a contração isométrica voluntaria máxima (CIVM), a amplitude de movimento (AM), a dor muscular de inicio tardio (DMIT), a interleucina-6 (IL-6) e o fator de necrose tumoral alfa (TNF-α). Alterações significantes foram observadas para os marcadores indiretos de dano muscular (CIVM, AM e DMIT), entretanto não houve modificações para os marcadores inflamatórios (IL-6 e TNF-α). Em conclusão, os resultados demonstraram que mesmo com alterações nos marcadores indiretos de dano muscular após a realização de um grande número de AE não foram observadas alterações na resposta inflamatória sistêmica.

Endereço: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1807-55092012000300002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.