Défict de Estatura Para a Idade de Escolares do Baixo Amazonas

Por: Adriano Tavares de Carvalho, Cleene Tavares de Souza, Giseli Minatto, Glauber Carvalho Nobre, Ismael Freitas Junior, Marcelo Gonçalves Duarte, Sueyla Ferreira da Silva dos Santos e Thais Reis Silva de Paulo.

Arquivos de Ciências do Esporte - v.6 - n.4 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Objetivo: investigar possível défict de estatura para idade de escolares (3 a 19 anos) de ambos os sexos de Parintins, AM. Métodos: pesquisa epidemiológica com delineamento transversal, em escolas públicas credenciadas ao Programa Saúde na Escola (PSE). O estado nutricional foi avaliado pelos indicadores de massa corporal, estatura e IMC e a adequação segundo as curvas de crescimento da Organização Mundial da Saúde. Resultados: observou-se predominância de baixa estatura, diferindo as proporções entre os meninos (16,2%) e as meninas (83,9%), em todas as faixas etárias. Conclusão: O déficit de estatura nas meninas, alerta para a necessidade de medida preventiva à desnutrição e déficit de crescimento.

Referências

Chaves VLV, Freese E, Lapa MT, Cesse EAP, Vasconcelos ALR. Evolução espaço temporal do sobrepeso e da obesidade em adolescentes masculinos brasileiros, 1980 a 2005. Cad. Saúde Pública 2010; 26(7):1303-13.

Coutinho JG, Gentil CP, Toral N. A desnutrição e obesidade no Brasil: o enfrentamento com base na agenda única da nutrição. Cad Saúde Pública 2008; 24(Sup.2):S332-S340.

Filho MB, Rissin A. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cad. Saúde Pública 2006; 19(Sup. 1):S181-S191.

Tardido AP, Falcão MC. O impacto da modernização na transição nutricional e obesidade. Rev Bras Nutr Clin 2006; 21(2):117-24.

Monteiro CA, Benicio MHD, Konno SC, Silva ACF, Lima ALL, Conde WL. Causas do declínio da desnutrição infantil no Brasil, 1996-2007. Rev Saúde Púb 2009; 43(1):35-43.

Pimenta TAM, Rocha R, Marcondes NAV. Políticas Públicas de Intervenção na Obesidade Infantil no Brasil: uma Breve Análise da Política Nacional de Alimentação e Nutrição e Política Nacional de Promoção da Saúde. Cient Ciênc Biol Saúde UNOPAR 2015; 17(2):139-46.

Orellana JDY, Coimbra Jr. CEA, Lourenço AEP, Santos RV. Estado Nutricional e anemia em crianças Suruí, Amazônia, Brasil. J Pediatr 2006; 82(5): 383-388.

Reis CEG, Vasconcelos IAL, Barros JFN. Políticas públicas de nutrição para o controle da obesidade infantil. Rev paul pediatr 2011; 29(4):625-33.

World Health Organization/WHO. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: World Health Organization. 2000.

Wang Y, Lobstein T. Worldwide trends in childhood overweight and obesity. Int J Pediatr Obes 2006; 1(1):11-25.

Maia MMM. Estado nutricional, consumo alimentar, deficiência de micronutrientes e doenças parasitárias em crianças de 0 a 10 anos de idade atendidas em serviços de saúde da cidade de Manaus, Amazonas. [Dissertação de Mestrado – Programa de Pós Graduação em Parasitologia]. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais, 2006.

Lima ALL, Monteiro CA, Konno SC, Conde WL. Avaliação antropométrica do estado nutricional de crianças e mulheres em idade fértil. In: Ministério da Saúde. Relatório Final: Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Mulher e da Criança; 2008. p.252-262. disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/pnds/img/relatorio_final_pnds2006.pdf [2015 out 21]

Licio JSA. Estado nutricional de crianças indígenas no Brasil: uma revisão sistemática da literatura científica. [Dissertação de Mestrado – Ciências na área da Saúde Pública]. Rio de Janeiro (RJ): Fundação Oswaldo Cruz, 2009.

Brasil. Decreto Federal nº 6.286, de 05 de dezembro de 2007. Dispõe sobre o Programa Saúde na Escola (PSE) e dá outras providências. Brasília: Casa Civil, 2007.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE Cidades. 2015. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=130340&search=amazonas|parintins

Alvarez BR, Pavan AL. Alturas e comprimentos. In: Petroski EL (ed.). Antropometria: técnicas e padronizações. 5.ed. Várzea Paulista: Fontoura, 2011, p.31-44.

World Health Organization. Child Growth Standards based on length/height, weight and age. Acta Paediatr 2006; 450(Suppl.):76-85.

Onis M et al. Development of a WHO growth reference for school-aged children and adolescents. Bull World Health Organ 2007; (85):660-7.

Malina RM, Bouchard C, Bar-Or O. Crescimento, maturação e atividade física. 2nd ed. São Paulo: Phorte; 2009. p. 466-467.

Silva DAS, Pelegrini A, Petroski EL, Gaya ACA. Comparação do crescimento de crianças e adolescentes brasileiros com curvas de referência para crescimento físico: dados do Projeto Esporte Brasil. Rev Soc Bol Ped 2012; 51(3):211-17.

Medehouenou TCM, Ayotte P, St-Jean A, Meziou S, Roy C, Muckle G, et al. Overweight and Obesity Prevalence Among School-Aged Nunavik Inuit Children According to Three Body Mass Index Classification Systems. Journal of Adolescent Health 2015; 57:31-36.

Leite MS, Santos RV, Gugelmin SA, Coimbra Jr. CEA. Crescimento físico e perfil nutricional da população indígena Xavánte de Sangradouro-Volta Grande, Mato Grosso, Brasil. Cad. Saúde Pública 2006; 22(2): 265-276.

Farias ES, Guerra-Júnior G, Petroski EL. Estado Nutricional de escolares em Porto Velho, Rondônia. Rev.Nutr. 2008; 21(4):401-409.

Neves OMD, Brasil ALD, Brasil LMBF, Taddei JAAC. Antropometria de escolares ao ingresso no ensino fundamental na cidade de Belém, Pará, 2001. Rev.Bras. Saúde Matern. Infant. 2006; 6(1):39-46.

Ramalho MHS, Santos JOL, Soares AA, Machado Z, Maria WB, Nazario PF, Nobre GC. Physical growth in children and adolescents of three Brazilian cities. J Health Sci Inst 2011; 29(4):276-9.

Barreto CTG, Cardoso AM, Coimbra Jr CEA. Estado nutricional de crianças indígenas Guarani nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública 2014; 30(3):657-662.

Menegolla IA, Drachler ML, Rodrigues IH, Schwingel LR, Scapinello E, Pedroso MB, Leite JCC. Estado nutricional e fatores associados à estatura de crianças da Terra Indígena Guarita, Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública 2006; 22(2):395-406.

Escobar AL, Santos RV, Coimbra Jr CEA. Avaliação Nutricional de Crianças Indígenas Pakaanóva (Wari´), Rondônia, Brasil. Rev Bras Saúde Matern Infant 2003; 3(4):457-461.

Tanner JM. A History of the Study of Human Growth. London: Cambridge University Press; 1981.

Vitolo MR, Campagnolo PDB, Gama CM. Factors associated with risk of low dietary fiber intake in adolescents. J Pediatr, v.83, n.1. p.47-52, 2007.

Guedes DP. Crescimento e desenvolvimento aplicado à Educação Física e ao Esporte. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte 2011; 25: 127-40.

Zeferino AMB, Barros Filho AA, Bettiol H, Barbieri MA. Acompanhamento do crescimento. J Pediatr 2003; 79(Suppl.1):S23-S32.

Habicht JP, Martorell R, Yarbrough C, Malina RM, Klein RE. Height and weight standards for preschool children. How relevant are ethnic differences in growth potential? Lancet 1974; 1: 611-5

Endereço: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/aces/article/view/2576

Comentários


:-)





© 1996-2020 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.