Demandas Físicas, Fisiológicas, Táticas e Técnicas no Pequeno Jogo 3vs.3 no Futebol: Uma Revisão Sistemática

Por: , e .

Revista Brasileira de Ciência & Movimento - v.25 - n.4 - 2017

Send to Kindle


Resumo

Pequenos Jogos são utilizados concomitantemente no processo de treino de jogadores de futebol e na avaliação da capacidade de jogo dos atletas. A configuração 3vs.3 apresenta-se como importante meio tanto no treinamento quanto na avaliação por representar o contexto decisional do jogo permitindo uma efetiva participação dos atletas. Estudos em diferentes idades e níveis competitivos utilizaram a configuração 3vs.3 para investigar demandas técnicas, táticas físicas e fisiológicas de jogadores de futebol. Diante da heterogeneidade dos estudos em relação à seleção dos sujeitos, e da consequente dificuldade de generalização dos resultados, este estudo buscou realizar uma revisão sistemática com ênfase nas respostas táticas, técnicas, físicas e fisiológicas da configuração 3vs.3 em estudos com pequenos jogos no futebol com atletas de diferentes idades e níveis competitivos. Compuseram a amostra deste estudo 12 trabalhos publicados, selecionados por meio do protocolo PRISMA. Resultados apontam para similaridades entre a demanda física no pequeno jogo e no jogo formal para todas categorias investigadas, à exceção da sub-19. Em relação às ações técnicas, o estudo com atletas profissionais reportou maior incidência de finalizações em relação às investigações com a categoria sub-17. Já em relação ao comportamento tático, o estudo com a categoria sub-15 reportou maior incidência de princípios táticos por minuto em comparação aos estudos na categoria sub-11, principalmente em relação aos princípios táticos ofensivos. Em resumo, observaram-se diferenças nas respostas táticas, técnicas, físicas e fisiológicas de jogadores de futebol de diferentes idades e níveis competitivos durante pequenos jogos na configuração 3vs.3. A partir destas diferenças, sugere-se cuidado na generalização de resultados de estudos para outras categorias, bem como ajuste nas cargas de treino/configurações do jogo para sua utilização no treinamento de jogadores de futebol de diferentes idades e níveis competitivos.Referências 1. Aguiar M, Botelho G, Lago C, Maças V, Sampaio J. A review on the effects of soccer small-sided games. Journal of Human Kinetics. 2012; 33(1): 103-13. PRAÇA, MORALES e GRECO R. bras. Ci. e Mov 2017;25(4):141-152 150 2. Graça A, Mesquita I. Modelos e concepções de ensino dos jogos desportivos. In: Tavares F, editor. Jogos Desportivos Coletivos: ensinar a jogar. Porto: Universidade do Porto; 2013. 3. Mesquita I. Perspectiva construtivista da aprendizagem no ensino do jogo. In: Nascimento JV, Ramos V, Tavares F, editores. Jogos Desportivos: formação e investigação. Porto: Porto; 2013. 4. Pinho ST, Alves DM, Greco PJ, Schild JFG. Método situacional e sua influencia no conhecimento tático processual de escolares. Revista Motriz. 2010; 16. 5. Serra-Olivares J, Gonzalez-Villora S, Garcia-Lopez LM, Araujo D. Game-Based Approaches' Pedagogical Principles: Exploring Task Constraints in Youth Soccer. Journal of Human Kinetics 151 Revisão das demandas no jogo 3vs.3 no futebol R. bras. Ci. e Mov 2017;25(4):141-152. 26. Praça GM, Custódio IJO, Greco PJ. Numerical superiority changes the physical demands of soccer players during small-sided games. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. 2015; 17(3): 269-79. 27. Dellal A, Jannault R, Lopez-Segovia M, Pialoux V. Influence of the numbers of players in the heart rate responses of youth soccer players within 2 vs. 2, 3 vs. 3 and 4 vs. 4 small-sided games. Journal of Human Kinetics. 2011; 28(1): 107-14. 28. Torres-Ronda L, Goncalves B, Marcelino R, Torrents C, Vicente E, Sampaio J. Heart rate, time-motion, and body impacts when changing the number of teammates and opponents in soccer small-sided games. J Strength Cond Res. 2015; 29(10): 2723-30. 29. Folgado H, Lemmink KAPM, Frencken W, Sampaio J. Length, width and centroid distance as measures of teams tactical performance in youth football. Eur J Sport Sci. 2012; 14(sup1): S487-S92. 30. Olthof SBH, Frencken WGP, Lemmink K. The older, the wider: On-field tactical behavior of elite-standard youth soccer players in small-sided games. Hum Mov Sci. 2015; 41: 92-102. 31. Shamseer L, Moher D, Clarke M, Ghersi D, Liberati A, Petticrew M, et al. Preferred reporting items for systematic review and meta-analysis protocols (PRISMA-P) 2015: elaboration and explanation. BMJ. 2015; 349(g7647). 32. Moher D, Liberati A, Tetzlaff J, Altman DG. Preferred reporting items for systematic reviews and meta-analysis: the PRISMA statement. PlosMed. 2009; 6(6): e1000097. 33. Sarmento H, Marcelino R, Anguera MT, Campaniço J, Matos N, Leitão JC. Match analysis in football: a systematic review. Journal of Sports Sciences. 2014: 1-13. 34. Aguiar M, Botelho GM, Goncalves BS, Sampaio JE. Physiological responses and activity profiles of football smallsided games. J Strength Cond Res. 2013; 27(5): 1287-94. 35.Castelao D, Garganta J, Santos R, Teoldo I. Comparison of tactical behaviour and performance of youth soccer players in 3v3 and 5v5 small-sided games. International Journal of Performance Analysis in Sport. 2014; 14(3): 801-13. 36.Castellano J, Casamichana D, Dellal A. Influence of game format and number of players on heart rate responses and physical demands in small-sided soccer games. J Strength Cond Res. 2013; 27(5): 1295-303. 37. Köklü Y, Aşçi A, Koçak FU, Alemdaroǧlu U, Dündar U. Comparison of the physiological responses to different small-sided games in elite young soccer players. J Strength Cond Res. 2011; 25(6): 1522-8. 38. Köklü Y, Alemdaroglu U, Dellal A, Wong DP. Effect of different recovery durations between bouts in 3-a-side games on youth soccer players' physiological responses and technical activities. J Sports Med Phys Fit. 2015; 55(5): 430-8. 39. Köklü Y, Sert Ö, Alemdaroglu U, Arslan Y. Comparision of the physiological responses and time-motion characteristics of young soccer players in small-sided games: the effect of goalkeeper. Journal of Strenght and Conditioning Research. 2015; 29(4): 964-71. 40. Owen AL, Wong DP, McKenna M, Dellal A. Heart rate responses and technical comparison between small-vs. large-sided games in elite professional soccer. J Strength Cond Res. 2011; 25(8): 2104-10. 41.Randers MB, Nielsen JJ, Bangsbo J, Krustrup P. Physiological response and activity profile in recreational smallsided football: No effect of the number of players. Scandinavian Journal of Medicine and Science in Sports. 2014; 24(SUPPL.1): 130-7. 42. Sánchez-Sánchez J, Pereira JKL, Rodríguez JG, García DM, Martín DR, Fernández AR, et al. Efecto de la motivación del entrenador sobre la carga interna y el rendimiento físico de un juego de fútbol reducido. Cuadernos de Psicología del Deporte. 2015; 14(3): 169-76. 43. Mallo J, Mena E, Nevado F, Paredes V. Physical demands of top-class soccer friendly matches in relation to a playing position using global positioning system technology. Journal of Human Kinetics. 2015; 47: 179-88. 44. Di Salvo V, et al. Performance characteristics according to playing position in elite soccer. Int J Sports Med. 2007; 28: 222-7. 45. Stølen T, Chamari K, Castagna C, Wisløff U. Physiology of Soccer: an update. Sports Med. 2005; 35(6): 501-36. 46.Bangsbo J. Physiology of training. In: Reilly T, editor. Science and Soccer. London, UK: Taylor & Francis Group; 2003. p. 51-64. 47. Strøyer J, Hansen L, Hanser K. Physiological profile and activity pattern of young soccer players during match play. Med Sci Sports Exerc. 2004; 36(1): 168-74. 48.Costa IT, Garganta JM, Greco PJ, Mesquita I. Princípios táticos do jogo de futebol: conceitos e aplicação. Revista Motriz. 2009;15. PRAÇA, MORALES e GRECO R. bras. Ci. e Mov 2017;25(4):141-152 152 49.Costa IT, Garganta J, Greco PJ, Mesquita I. Avaliação do desempenho tático no futebol: concepção e desenvolvimento da grelha de observação do teste “gr3-3gr”. Revista Mineira de Educação Física. 2009; 17(2): 36-64. 50. Garganta J. Modelação tática do jogo de futebol: estudo da organização da fase ofensiva em equipas de alto rendimento: Universidade do Porto; 1997.

Endereço: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RBCM/article/view/6595

Tags:

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.