Democracia Torcedora Versus Vantagens Consumistas: Uma Análise da Associação Clubística em Tempos de Futebol-negócio

Por: Anderson David Gomes dos Santos e Irlan Simões da Cruz Santos.

Mosaico - v.9 - n.14 - 2018

Send to Kindle


Resumo

Os anos 2010 estão marcando uma nova virada histórica nas formas de associação clubística, após um período de intensos debates e transformações de inserção do Brasil na lógica do futebol-negócio a nível global. Este artigo segue uma trajetória de estudos no âmbito de uma Economia Política do Futebol com o objetivo de apontar alguns elementos dentro das mudanças ocorridas nas formas de associações nos clubes brasileiros e como esse tema nos permite compreender a formação política dessas instituições. Para tanto, além do resgate histórico, também buscaremos traçar paralelos com outros países, a fim de preparar o terreno para discutir sobre o momento atual, demarcado pela resistência de grupos de torcedores frente às “vantagens” meramente consumistas.

Referências

FRANCO JÚNIOR, Hilário. A Dança dos deuses: futebol, sociedade, cultura. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

HEIN, Thomas. “‘We need to get rid of FSG’, ‘Supporters Not Customers’ Liverpool Fans Furious Over Latest Ticket Prices”. The Kop Times. 27 nov 2017. Disponível em: . Acesso em: 07 mar 2018.

ITAÚ BBA. Análise Econômico Financeira dos Clubes de Futebol Brasileiros. 2017. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2018.

LLOPIS-GOIG, Ramón. “From ‘socios’ to ‘hyper-consumers’: an empirical examination of the

impact of commodification on Spanish football fans”. Soccer & Society, Londres, n. 13, p. 392-408, 2012.

MERKEL, Udo. Football fans and clubs in Germany: Conflicts, crises and compromises.

Soccer & Society, Londres, n. 13, p. 359-376, 2012.

MOREIRA, María Verónica. “Juego electoral y relaciones políticas en el fútbol argentino”. História: Questões & Debates, Curitiba, n. 57, p.127-149, 2012.

_______. “Participación, poder y política en el fútbol argentino”. Nueva Sociedad, n. 248. Buenos Aires, 2013, p. 52-63.

PRONI, Marcelo Weishaupt. Esporte-Espetáculo e Futebol-Empresa. 1998. 275 f. Tese (Doutorado em Educação Física). Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998.

TOLEDO, Luiz Henrique. Políticas da corporalidade: socialidade torcedora entre 19902010. In: Toledo, Luiz Henrique et al. (Org.). A torcida brasileira. Rio de Janeiro: Sete Letras, 2012. p. 122-158.

SALDANHA, Renato Machado. Placar e a Produção de uma Representação de Futebol Moderno. 2009. 101 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física). Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

SANTOS, Anderson David Gomes dos. A consolidação de um monopólio de decisões: a Rede Globo e a transmissão do Campeonato Brasileiro de Futebol. 2013. 263 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação). Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2013.

SANTOS, Anderson David Gomes dos; SANTOS, Irlan Simões da Cruz. História do espectador dos jogos de futebol no Brasil: da elitização amadora às novas formas de exclusão das Arenas Multiuso. In: SANTOS, Verlane Aragão; MOTA, Joanne Santos; MARTINS, Bruna Távora de Sousa (Orgs.). XIII Seminário OBSCOM/CEPOS e I Fórum Regional ALAIC Cone Sul:

Compilação de trabalhos apresentados. São Cristóvão; São Paulo: OBSCOM/CEPOS/ALAIC, p. 28-41.

SANTOS, Irlan Simões Cruz. For the love, not the money: futebol, produção do comum e direito à cidade. Lugar Comum, Rio de Janeiro, n. 48, p. 120-144, 2016.

SANTOS, Irlan Simões. Clientes versus Rebeldes: novas culturas torcedoras nas arenas do futebol moderno. Rio de Janeiro: Editora Multifoco, 2017.

STONE, Simon. “English football fans 'clients', says Borussia Dortmund chief Hans-Joachim Watzk”. Disponível em: . Acesso em: 07 mar. 2018.

Ver Arquivo (PDF)

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.