Densidade Mineral óssea e Absortometria de Raio-x de Dupla Energia

Por: Maria Fátima Glaner e Marina Kanthack Paccini.

Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano - v.10 - n.1 - 2008

Send to Kindle


Resumo

O objetivo desta revisão foi reunir as informações relevantes na literatura sobre os temas: tecido ósseo, validações e limitações da absortometria de raio-X de dupla energia. Para tanto, foram analisados estudos nacionais e internacionais indexados no banco de dados PubMed, Lilacs e Nuteses. Os aspectos discutidos foram: maturação do tecido ósseo, tecido ósseo em diferentes populações, impacto de programas de intervenção sobre o tecido ósseo, absortometria de raio-X de
dupla energia, bem como suas validações e limitações. A partir dos dados encontrados na literatura, algumas constatações podem ser realizadas. A densidade mineral óssea se modifi ca durante as diferentes fases da vida, infância, adolescência, idade adulta e terceira idade; pode ser infl uenciada, além da idade, pela etnia, sexo, fatores genéticos e estilo de vida. Fica evidente, tanto para a saúde quanto para os aspectos sociais e econômicos da sociedade, a importância do monitoramento da densidade mineral óssea. Neste sentido, vários estudos confirmam a validade da absortometria de raio-X de dupla energia para a mensuração da composição corporal (osso, gordura e músculo). No entanto, em estudos mais recentes, porém escassos, são evidenciadas algumas limitações no uso da absortometria de raio-X de dupla energia, que afetam a sua acuracidade. Desta forma, verifi ca-se a necessidade de novos estudos que tratem do assunto, com o objetivo de definir, claramente, até que ponto a utilização deste aparelho pode ser feita de forma acurada.

Endereço: https://periodicos.ufsc.br/index.php/rbcdh/article/view/1980-0037.2008v10n1p92

Comentários


:-)





© 1996-2019 Centro Esportivo Virtual - CEV.
O material veiculado neste site poderá ser livremente distribuído para fins não comerciais, segundo os termos da licença da Creative Commons.